Revisão sistemática integrativa sobre os fenômenos de privatização e oligopolização do setor de terapia renal substitutiva no capitalismo contemporâneo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v15.1340

Palavras-chave:

Diálise Renal, Falência Renal Crônica, Setor Privado, Instituições Associadas de Saúde, Capitalismo

Resumo

A doença renal crônica (DRC) é problema mundial de saúde pública. Sua prevalência aumenta globalmente devido, sobretudo, ao envelhecimento da população e à epidemia de obesidade. Esses fatores levam à elevação das prevalências de hipertensão e diabetes, que são as principais causas de DRC. Como consequência do aumento da prevalência de DRC, o número estimado de pessoas em terapia renal substitutiva (TRS) no mundo dobrou nos últimos 20 anos. Nas nações em que a TRS é financiada com recursos públicos ou de seguros de saúde, cerca de 0,1% da população consome 5–7% de todo orçamento da saúde de seus países, sendo que um volume expressivo desses recursos financeiros é capturado por prestadores de assistência à saúde com finalidade lucrativa. Além da predominância de serviços de TRS com fins lucrativos, o mercado de TRS tem observado elevação do número de fusões e aquisições. Além de obter ganhos de escala em suas operações, os grandes conglomerados empresariais obtêm mais força para determinar os preços e exercer pressão por reajustes frente ao setor público. O processo de oligopolização do setor de TRS está bem estabelecido nos Estados Unidos, local em que mais de 70% das unidades de diálise são de propriedade de duas empresas multinacionais. No caso do Brasil, esse cenário é igualmente preocupante à medida em que 55% dos prestadores de TRS são privados com fins lucrativos e mais de 70% deles se encontram sob gestão de municípios, justamente o ente federativo com maior fragilidade econômica e menor poder de negociação frente ao setor privado. Estudos indicaram que os fenômenos de privatização e a oligopolização do setor de TRS podem estar associados com menor adesão à linha de cuidado da DRC, com menor chance de encaminhamento para transplante renal, menor utilização de diálise peritoneal, maior taxa de hospitalização e maior mortalidade. O objetivo deste trabalho é desenvolver uma revisão sistemática integrativa da literatura partindo da seguinte pergunta de pesquisa: O que a literatura científica apresenta sobre a relação entre o setor de terapia renal substitutiva e os fenômenos de privatização e oligopolização no contexto do capitalismo contemporâneo? Os descritores identificados no portal eletrônico Descritores em Ciências da Saúde – DeCS  foram: “terapia renal substitutiva”, “falência renal crônica” e “insuficiência renal crônica” (polo fenômeno); “privatização”, “setor privado”, “instituições privadas de saúde”, “propriedade”, “instituições associadas de saúde” e “aquisição baseada em valor” (polo população) e “capitalismo” (polo contexto). A busca exploratória foi realizada no Portal Regional da Biblioteca Virtual em Saúde – BVS em 15/04/2023, resultando em 161 publicações. O fluxograma PRISMA e os seguintes critérios de inclusão foram utilizados para a seleção dos artigos incluídos: a) estudos em seres humanos; b) abordagem do setor TRS; c) abordagem do fenômeno de oligopolização ou privatização; e, d) o capitalismo contemporâneo, considerando o período pós 1990. Com base nesses critérios, foram realizadas as seguintes exclusões: duplicatas (3), publicações que não foram artigos (80), aquelas que não corresponderam aos critérios de inclusão após leitura dos títulos (6), resumos (30), textos incompletos (3) e por serem publicações anteriores à década de 1990 (5). Neste sentido, restaram 34 artigos considerados incluídos. O país de origem de 91% desses estudos foi os Estados Unidos (31) e os demais foram artigos da Itália (1), Romênia (1) e Taiwan (1). Seis artigos (18%) abordaram apenas o fenômeno de oligopolização, 17 (50%), somente a privatização e 11 artigos (32%), ambos os fenômenos. Quanto ao desenho dos estudos, 25 (74%) foram retrospectivos e comparativos, isto é, utilizaram pelo menos dois grupos de unidades de diálise para avaliar o impacto de um ou ambos fenômenos (oligopolização e privatização) nos desfechos dos pacientes. Cinco estudos (15%) foram descritivos, houve duas revisões sistemáticas com metanálise, um estudo prospectivo e comparativo e um estudo transversal baseado em questionário. Os principais desfechos avaliados pelos estudos comparativos foram mortalidade dos pacientes (13 estudos), taxa de hospitalização (7), utilização de medicações reembolsáveis de alto custo (7), encaminhamento para transplante renal (5), qualidade assistencial (5) e utilização de diálise peritoneal (dois estudos). Quanto ao efeito da consolidação e/ou privatização do setor de TRS, 19 estudos (73%) foram favoráveis às unidades de diálise sem fins lucrativos ou independentes, ou seja, essas unidades apresentaram melhores desfechos quando comparadas às unidades privadas ou pertencentes às grandes organizações de diálise; cinco estudos (19%) foram favoráveis às unidades de diálise com fins lucrativos ou de grandes cadeias e dois estudos (8%) foram neutros. Entre os estudos, houve grande variabilidade das técnicas estatísticas empregadas, das definições das variáveis e dos fatores de confusão incluídos na análise multivariada. Apesar disso, os resultados parciais desta pesquisa apontam para a necessidade de monitoramento da qualidade das unidades de diálise e dos desfechos dos pacientes para orientar políticas públicas, sobretudo em países com rápida elevação do número de pessoas em TRS, como é o caso do Brasil, nos quais volume importante de recursos públicos são consumidos por grandes conglomerados empresariais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Luyckx VA, Tonelli M, Stanifer JW. The global burden of kidney disease and the sustainable development goals. Bull World Health Organ. 2018;96(6):414-422D. doi: 10.2471/BLT.17.206441 DOI: https://doi.org/10.2471/BLT.17.206441

Liyanage T, Ninomiya T, Jha V, Neal B, Patrice HM, Okpechi I, Zhao MH, Lv J, Garg AX, Knight J, Rodgers A, Gallagher M, Kotwal S, Cass A, Perkovic V. Worldwide access to treatment for end-stage kidney disease: a systematic review. Lancet. 2015; 385(9981):1975-82. doi: 10.1016/S0140-6736(14)61601-9 DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(14)61601-9

Stevens PE, Levin A. Kidney Disease: Improving Global Outcomes Chronic Kidney Disease Guideline Development Work Group Members. Evaluation and management of chronic kidney disease: synopsis of the kidney disease: improving global outcomes 2012 clinical practice guideline. Ann Intern Med. 2013;158(11):825-30. doi: 10.7326/0003-4819-158-11-201306040-00007 DOI: https://doi.org/10.7326/0003-4819-158-11-201306040-00007

Tonelli M, Wiebe N, Knoll G, Bello A, Browne S, Jadhav D, Klarenbach S, Gill J. Systematic review: kidney transplantation compared with dialysis in clinically relevant outcomes. Am J Transplant. 2011 Oct;11(10):2093-109. doi: 10.1111/j.1600-6143.2011.03686.x DOI: https://doi.org/10.1111/j.1600-6143.2011.03686.x

Thurlow JS, Joshi M, Yan G, Norris KC, Agodoa LY, Yuan CM, Nee R. Global Epidemiology of End-Stage Kidney Disease and Disparities in Kidney Replacement Therapy. Am J Nephrol. 2021;52(2):98-107. doi: 10.1159/000514550 DOI: https://doi.org/10.1159/000514550

Sloan CE, Hoffman A, Maciejewski ML, Coffman CJ, Trogdon JG, Wang V. Trends in Dialysis Industry Consolidation After Medicare Payment Reform, 2006-2016. JAMA Health Forum. 2021; 2(11): e213626. doi: 10.1001/jamahealthforum.2021.3626 DOI: https://doi.org/10.1001/jamahealthforum.2021.3626

Silva Junior GBD, Oliveira JGR, Oliveira MRB, Vieira LJES, Dias ER. Global costs attributed to chronic kidney disease: a systematic review. Rev Assoc Med Bras (1992). 2018 Dec;64(12):1108-1116. doi: 10.1590/1806-9282.64.12.1108 DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9282.64.12.1108

Elshahat S, Cockwell P, Maxwell AP, Griffin M, O'Brien T, O'Neill C. The impact of chronic kidney disease on developed countries from a health economics perspective: A systematic scoping review. PLoS One. 2020;15(3):e0230512. doi: 10.1371/journal.pone.0230512 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0230512

Yeung E, Bello AK, Levin A, Lunney M, Osman MA, et al. Current status of health systems financing and oversight for end-stage kidney disease care: a cross-sectional global survey. BMJ Open. 2021 Jul 9;11(7):e047245. doi: 10.1136/bmjopen-2020-047245 DOI: https://doi.org/10.1136/bmjopen-2020-047245

Alcalde PR, Kirsztajn GM. Expenses of the Brazilian Public Healthcare System with chronic kidney disease. J Bras Nefrol. 2018 Apr-Jun;40(2):122-129. doi: 10.1590/2175-8239-JBN-3918 DOI: https://doi.org/10.1590/2175-8239-jbn-3918

Nerbass FB, Lima HDN, Thomé FS, Vieira Neto OM, Lugon JR, Sesso R. Brazilian Dialysis Survey 2020. J Bras Nefrol. 2022 Jul-Sep;44(3):349-357. doi: 10.1590/2175-8239-JBN-2021-0198 DOI: https://doi.org/10.1590/2175-8239-jbn-2021-0198

Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?cnes/cnv/servc2br.def. Acessado em 15/04/2023.

Fulton BD. Health care market concentration trends in the United States: evidence and policy responses. Health Aff (Project Hope). 2017;36(9):1530-1538. doi: 10.1377/hlthaff.2017.0556 DOI: https://doi.org/10.1377/hlthaff.2017.0556

Pescuma Junior A, Alves DFA, Mendes A, Bousquat A. Empresas de capital internacional e o sistema de saúde brasileiro: um estudo sobre terapia renal substitutiva. Cien Saude Colet. 2021;26(9):4163-4172. doi: 10.1590/1413-81232021269.20742020 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021269.20742020

Tsai TC, Jha AK. Hospital consolidation, competition, and quality: is bigger necessarily better? JAMA. 2014 Jul 2;312(1):29-30. doi: 10.1001/jama.2014.4692 DOI: https://doi.org/10.1001/jama.2014.4692

Saeed MK, Ho V, Erickson KF. Consolidation in dialysis Markets-Causes, consequences, and the role of policy. Semin Dial. 2020 Jan;33(1):90-99. doi: 10.1111/sdi.12855 DOI: https://doi.org/10.1111/sdi.12855

2020 outlook: Dialysis clinics and ESRD. Levin DI, Lingam T, Janiga NJ. Disponível em: https://healthcareappraisers.com/wp-content/uploads/2020/03/FMVantagePoint_2020-OUTLOOK-DIALYSIS-CLINICS-AND-ESRD.pdf. Acessado em 15/04/2023.

Adler JT, Xiang L, Weissman JS, Rodrigue JR, Patzer RE, Waikar SS, Tsai TC. Association of Public Reporting of Medicare Dialysis Facility Quality Ratings With Access to Kidney Transplantation. JAMA Netw Open. 2021 Sep 1;4(9):e2126719. doi: 10.1001/jamanetworkopen.2021.26719 DOI: https://doi.org/10.1001/jamanetworkopen.2021.26719

Eliason PJ, Heebsh B, McDevitt RC, Roberts JW. How Acquisitions Affect Firm Behavior and Performance: Evidence from the Dialysis Industry. The Quarterly Journal of Economics 2020; 135 (1):221–267. doi:10.1093/qje/qjz034 DOI: https://doi.org/10.1093/qje/qjz034

Erickson KF, Zhao B, Niu J, Winkelmayer WC, Bhattacharya J, Chertow GM, Ho V. Association of Hospitalization and Mortality Among Patients Initiating Dialysis With Hemodialysis Facility Ownership and Acquisitions. JAMA Netw Open. 2019 May 3;2(5):e193987. doi: 10.1001/jamanetworkopen.2019.3987 DOI: https://doi.org/10.1001/jamanetworkopen.2019.3987

Soares CB, Hoga LAK, Peduzzi M, Sangaleti C, Yonekura T, Silva DRAD. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(2):335-45. https://doi.org/10.1590/S0080-6234201400002000020 DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-6234201400002000020

Descritores em Ciências da Saúde. Disponível em: https://decs.bvsalud.org/. Acessado em 20 de novembro de 2022.

Portal Regional da Biblioteca Virtual da Saúde. Organização Pan-americacana da Saúde. Disponível em: https://bvsalud.org/. Acessado em 15/04/2023.

Downloads

Publicado

31-08-2023

Como Citar

1.
Samaan F, Mendes Áquilas. Revisão sistemática integrativa sobre os fenômenos de privatização e oligopolização do setor de terapia renal substitutiva no capitalismo contemporâneo. J Manag Prim Health Care [Internet]. 31º de agosto de 2023 [citado 29º de fevereiro de 2024];15(spec):e005. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1340

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>