O financiamento das comunidades terapêuticas no Brasil e os modelos de atenção à saúde mental

resultados parciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v15.1359

Palavras-chave:

Comunidade Terapêutica, Modelos de Assistência à Saúde, Saúde Mental

Resumo

Os movimentos de crítica à lógica asilar, até então hegemônica no campo da saúde mental, datam do período pós-guerra, na década de 1940. Um desses movimentos reporta às Comunidades Terapêuticas – CTs, cuja origem é discutida na literatura e considerada por alguns autores criação de Maxwell Jones, psiquiatra sul-africano radicado no Reino Unido, onde desenvolveu suas práticas. Os ideais de Jones envolviam um atendimento mais horizontal dentro do hospital psiquiátrico, reconhecendo também as necessidades coletivas dos sujeitos. É nos Estados Unidos que as CTs mudam de caráter, assumindo o foco no “acolhimento” de usuários abusivos de drogas. Esse modelo seria descrito, então, pelo psiquiatra George De León, cuja abordagem aponta para a necessidade de adaptação dos indivíduos à sociedade, sob um viés moralista e religioso. O tripé dessas instituições seriam a abstinência como condição, a espiritualidade e a laborterapia. Por espiritualidade, entende-se práticas religiosas específicas às quais cada CT é vinculada. No Brasil, o modelo de Comunidade Terapêutica recepcionado é o de De León, com figura central em Padre Haroldo, importante disseminador das CTs, e criador da Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas – FEBRACT. Diferentemente dos princípios e diretrizes do SUS, do modelo psicossocial e da Redução de Danos, instituída em 2003, as CTs atuam sob o viés proibicionista. Na contramão do que proporia a Reforma Psiquiátrica, esse movimento de expansão das CTs no Brasil é operada em meio a tensões político-científicas no campo da atenção a usuários de drogas. No entanto, é no ano de 2016 que se observa um redirecionamento no modelo de atenção, com recrudescimento da lógica proibicionista. Essa mudança culmina com o decreto presidencial de número 9.761, de 2019, que reorienta a Política Nacional sobre Drogas, e prevê apoio financeiro às CTs e às entidades que a representam. Alguns estudos sobre a eficácia das CTs buscam identificar seus efeitos, com evidência de alguma melhora no tempo de uso de drogas, criminalidade e emprego após o programa. No entanto, destaca-se a limitação metodológica dos mesmos. No tocante à alocação de recursos federais, há uma indeterminação a respeito do financiamento dessas entidades pelo Estado, sendo encontradas fontes da saúde, assistência social e segurança. Frente à sua expansão constante, e ao conhecimento inversamente proporcional sobre seu funcionamento e origem de recursos, entende-se necessário aprofundar no seu estudo. O objetivo geral deste estudo é discutir o financiamento das Comunidades Terapêuticas e os modelos de atenção em saúde mental. A metodologia a ser utilizada no presente estudo é a Revisão Integrativa, descrita na literatura desde 1980, e que tem grande relevância nos estudos em saúde. A base de dados utilizada é a Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde – LILACS. Visando identificar publicações referentes ao objeto de pesquisa utilizou-se terminologia padronizada com base nos Descritores em Ciências da Saúde – DeCS. Após algumas estratégias falhas, que utilizaram os três polos “fenômeno, população e contexto”, com retorno de estudos irrelevantes, optou-se por utilizar o termo livre “comunidade terapêutica”, sem os descritores de contexto e fenômeno, e limitando-se apenas o idioma (português), com a sintaxe: mh:("comunidade terapêutica") AND ( fulltext:("1") AND la:("pt")). Essa estratégia reportou 93 artigos, exportados então para o programa Zotero, com identificação de 12 duplicatas e seleção de 25 artigos para leitura na íntegra. Após a leitura desses artigos, foram selecionados 14 para serem analisados e interpretados. A seleção dos mesmos deu-se em paralelo à construção de um quadro síntese, sendo selecionados aqueles que respondem à pergunta e aos objetivos de pesquisa. Cada artigo foi também analisado quanto à categoria utilizada, sendo identificadas: Modelo biomédico e Modelo de atenção psicossocial. Essa última foi a mais identificada entre os estudos identificados, correspondendo a 11, na totalidade de 14. Com relação à temporalidade da publicação dos artigos, têm-se como majoritários aqueles publicados a partir de 2017, ano posterior à mudança de direcionamento da política sobre drogas no país. Em sua maioria, portanto, realizam um recorrido histórico dos capítulos recentes desse tema na política brasileira, com o começo da linha do tempo datando das últimas décadas do século XX, e mais marcadamente a partir do começo do XXI. Mesmo que nos primeiros anos deste século a política de atenção a usuários de álcool e outras drogas tomasse como enfoque a abordagem psicossocial, utilizando-se como estratégia a Redução de Danos, já surgiam articulações de agentes políticos vinculados às Comunidades Terapêuticas. No mesmo ano em que se criou a Lei de Reforma Psiquiátrica, em 2001, deu-se também a formulação da RDC de número 101 da Anvisa – que seria revisada logo mais em 2011 –, estabelecendo regras para o funcionamento das comunidades terapêuticas. Ao longo dos anos seguintes, observou-se descompasso entre Ministérios da Saúde e da Justiça, ao passo em que a chamada “Lei de Drogas”, de número 11.343, de 2006, autorizou a atenção aos usuários de drogas tanto pelo Sistema Único de Saúde (SUS), quando por instituições privadas e organizações da sociedade civil sem fins lucrativos. Através dessa legislação, as CTs passam a se tornar elegíveis a subsídios públicos. E foi com o lançamento, em 2011, do programa “Crack, É Possível Vencer”, que iniciou a efetiva transferência de recursos a partir do governo federal. Em meio a um cenário de tensões entre agentes políticos, as CTs, através de seus representantes, avançaram continuamente, com uma ascensão massiva a partir do impeachment de 2016, e dos dois governos que se seguiram.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

- Amarante P. Revisitando os paradigmas do saber psiquiátrico: tecendo o percurso dos movimentos da Reforma Psiquiátrica. In: Loucos pela vida: a história da Reforma Psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Fiocruz; 2010; 22-51.

- Amarante P. Saúde mental e atenção psicossocial [online]. 4. ed: Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013. Temas em saúde collection. Disponível em Scielo Books. <http://books.scielo.org>. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575413685

- De Leon G. A Comunidade Terapêutica: teoria, modelo e método. Editora Loyola; 2003.

- dos Santos MPG (org.) Comunidades Terapêuticas: Temas para Reflexão. Rio de Janeiro: IPEA, 2018. [acesso 14 de setembro de 2022] Disponível em: https://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/8856.

- Fracasso L. Comunidades Terapêuticas: Histórico e Regulamentações. Brasília: 2018. [acesso 4 de setembro de 2022]. Disponível em: http://www.mpgo.mp.br/portal/arquivos/2018/08/09/15_25_10_992_Artigo_Comunidades_Terapeuticas_Historico_e_Regulamentos.pdf.

- Bastos ADA, Alberti S. Do paradigma psicossocial à moral religiosa: questões éticas em saúde mental. Ciência & Saúde Coletiva. 2021. 26(1):285-295. [acesso 31 de agosto de 2022]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232020261.25732018. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020261.25732018

- Brasil, Lei No 10.216, DE 6 de Abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União. [acesso 2 de dezembro de 2022]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm#:~:text=LEI%20No%2010.216%2C%20DE,modelo%20assistencial%20em%20sa%C3%BAde%20mental.

- Brasil. Ministério da Saúde. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde, 2003. [acesso 2 de dezembro de 2022]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_atencao_alcool_drogas.pdf

- Brasil. Presidência da República. Secretaria-Geral. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto presidencial 9.761, de 11 de abril de 2019. Aprova a política nacional sobre drogas. 2019. [acesso 12 de dezembro de 2022]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9761.htm.

- Cruz, NFO; Gonçalves, RW; Delgado, PGG. Retrocesso da Reforma Psiquiátrica: o desmonte da política nacional de saúde mental brasileira de 2016 a 2019. Trabalho, Educação e Saúde, 2020; 18(3): e00285117. [acesso 30 de julho de 2022]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00285. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00285

- Sacks, S, Sacks, JY., McKendrick, K, Banks, S, Stommel, J. Modified TC for MICA offenders: Crime outcomes. Behavioral Sciences and The Law, 2004; 22: 477–501. [acesso 7 de novembro de 2022]. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/bsl.599 DOI: https://doi.org/10.1002/bsl.599

- De Leon, G., Sacks, S., Staines, G. and McKendrick, K. Modified therapeutic community for homeless mentally ill chemical abusers: Treatment outcomes. American Journal of Drug and Alcohol Abuse, 2000; 26(3), 461–480. [acesso 7 de novembro de 2022]. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1081/ADA-100100256. DOI: https://doi.org/10.1081/ADA-100100256

- McCollister, K.E., French, M.T., Prendergast, M.L. et al. Is in-prison treatment enough? A cost-effectiveness analysis of prison-based treatment and aftercare services for substance abusing offenders. Law and Policy, 2000; 25: 62–83. [acesso 7 de novembro de 2022]. Disponível em: https://faculty.uml.edu/chigginsobrien/524.201/documents/IsinPrisonTreatmentEnough.pdf

- McGeary, K.A., French, M.T., Sacks, S. McKendrick, K. and De Leon, G. Service use and cost by MICAs; Differences by retention in a TC. Journal of Substance Abuse, 2000; 11(3): 265–279. [acesso 8 de novembro de 2022]. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0899328900000262?via%3Dihub. DOI: https://doi.org/10.1016/S0899-3289(00)00026-2

- De Leon G. Is the Therapeutic Community an Evidence-based Treatment? What the Evidence Says. Therapeutic Communities. 2010; 31(2): 105-128. [acesso 09 de novembro de 2022]. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/277019069_De_Leon_G2010_Is_the_Therapeutic_Community_an_Evidence_Based_Treatment_What_the_Evidence_Says_International_Journal_of_Therapeutic_Communities_31_2_summer_104-128.

- Fiore M (org). Financiamento público de comunidades terapêuticas brasileiras entre 2017 e 2020. Conectas; CEBRAP. Brasil, 2021. [acesso 13 de novembro de 2022]. Disponível em: https://www.conectas.org/wp-content/uploads/2022/04/Levantamento-sobre-o-investimento-em-CTs-w5101135-ALT5-1.pdf.

- Duprat D (org). Relatório da Inspeção Nacional em Comunidades Terapêuticas. Conselho Federal de Psicologia; Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura; Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão; Ministério Público Federal. Brasília, 2018. 172p. [acesso 9 de setembro de 2022]. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2018/06/Relat%C3%B3rio-da-Inspe%C3%A7%C3%A3o-Nacional-em-Comunidades-Terap%C3%AAuticas.pdf

- Ni socorro, ni salud: Abusos en vez de rehabilitación para usuarios de drogas en América Latina y el Caribe. Open Society Foundations, 2016. [acesso 10 de setembro de 2022]. Disponível em: https://www.opensocietyfoundations.org/uploads/5bda2aff-6714-45d3-961d-763ad4b2a4d6/no-health-no-help-es-21060403.pdf

- Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Context Enferm,. 2008; 17(4):758-64. [acesso 02 de fevereiro de 2023]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S010407072008000400018. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

- Bardi G, Garcia, MLT. Comunidades terapêuticas religiosas: entre a salvação pela fé e a negação dos seus princípios. Ciênc. saúde coletiva, 2022; 27(4):1557-1566. [acesso 30 de abril de 2023]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232022274.05152021. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232022274.05152021

- Bolonheis-Ramos RCM, Boarini ML. Comunidades terapêuticas: “novas” perspectivas e propostas higienistas. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 2015; 22 (4): 1231-1248. [acesso 01 de maio de 2023]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-59702015000400005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702015000400005

- Brito RMM, Sousa TM. Dependência química e abordagem centrada na pessoa: contribuições e desafios em uma comunidade terapêutica. Revista da Abordagem Gestáltica. Goiânia, 2014; 20(1). [acesso em 06 de maio de 2023]. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672014000100010. DOI: https://doi.org/10.18065/RAG.2014v20n1.9

- Fossi LB, Guareschi NMF. O modelo de tratamento das comunidades terapêuticas: práticas confessionais na conformação dos sujeitos. Estud. pesqui. psicol, 2015; 15(1): 94-115. [acesso em 04 de maio de 2023]. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1808-42812015000100007&script=sci_abstract. DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2015.16062

- Galindo D, Pimentél-Méllo R, Moura M. Comunidades terapêuticas para pessoas que fazem uso de drogas: uma política de confinamento. Barbarói, 2017; 2(50): 226-244. [acesso em 06 de maio de 2023]. Disponível em: https://doi.org/10.17058/barbaroi.v0i0.11239. DOI: https://doi.org/10.17058/barbaroi.v0i0.11239

- Leão A, Taño BL, Jacob DG, Pimentel KS. Obstáculos à produção do cuidado em álcool e outras drogas na perspectiva dos trabalhadores de saúde mental: prelúdios do cenário atual? Pesquisas e Práticas Psicossociais. São João del-Rei, 2021; 16(3): E-3733. [acesso em 08 de maio de 2023]. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/revista_ppp/article/view/e3733.

- Montenegro FVP. O dispositivo das drogas nas políticas públicas. Revista Polis e Psique. Porto Alegre, 2018; 8(2). [acesso em 10 de maio de 2023]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22456/2238-152X.73638. DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.73638

- Perrone PAK. A comunidade terapêutica para recuperação da dependência do álcool e outras drogas no Brasil: mão ou contramão da reforma psiquiátrica? Ciênc. saúde coletiva, 2014; 19(2):569-580. [acesso em 11 de maio de 2023]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232014192.00382013. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232014192.00382013

- Quintas ACMO. Estado, comunidades terapêuticas e neoliberalismo: um estudo sobre a política de drogas no Brasil. [Dissertação de mestrado]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Social Hesio Cordeiro; 2022.

- Junior, BRS. Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos: referência para vigilância sanitária em comunidades terapêuticas. [acesso em 24 de maio de 2023]. Rev. Bioét, 2017; 25(3): 462-72. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1983-80422017253203. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-80422017253203

- da Silva LG, Tofoli LF, Calheiros PRV. Tratamentos ofertados em Comunidades Terapêuticas: Desvelando práticas na Amazônia Ocidental. Estud. psicol. Natal, 2018; 23(3): 325-333. [acesso em acesso em 24 de maio de 2023]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22491/1678-4669.20180031. DOI: https://doi.org/10.22491/1678-4669.20180031

- Teixeira, MB, Ramôa ML, Engstrom E, Ribeiro JM. Tensões paradigmáticas nas políticas públicas sobre drogas: análise da legislação brasileira no período de 2000 a 2016. Ciênc. saúde colet, 2017; 22(5):1455-1466. [acesso em 25 de maio de 2023]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232017225.32772016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017225.32772016

Downloads

Publicado

12-09-2023

Como Citar

1.
Hoffmann Rigoni H, Verna Castro Gondinho B. O financiamento das comunidades terapêuticas no Brasil e os modelos de atenção à saúde mental: resultados parciais. J Manag Prim Health Care [Internet]. 12º de setembro de 2023 [citado 29º de fevereiro de 2024];15(spec):e016. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1359

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)