Uso da inteligência artificial aplicada ao processo decisório na alocação de recursos na saúde pública do Brasil

uma revisão integrativa da literatura

Autores

  • Gláucio Nóbrega de Souza Universidade de São Paulo
  • Jaqueline Vilela BULGARELI Universidade Federal de Uberlândia, –UFU, Faculdade de Odontologia –FO, Uberlândia, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0001-7810-0595

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v15.1352

Palavras-chave:

Inteligência Artificial, Técnicas de Apoio para a Decisão, Alocação de Recursos, Alocação de Recursos para a Atenção à Saúde, Saúde Pública

Resumo

A Constituição da República Federativa do Brasil do ano de 1998 expressa, em seu artigo 196, que: “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”. Por seu turno, coube à Lei 8.080/1990 instituir e regulamentar os princípios e as diretrizes do Sistema Único de Saúde – SUS, financiado pelo orçamento da seguridade social. Entretanto, em que pese todo o arcabouço legal no qual se assenta o financiamento da saúde pública no país, observa-se um processo de subfinanciamento e desfinanciamento crescentes, agravado pela desoneração fiscal, por critérios eminentemente políticos na alocação dos recursos da saúde, pelo envelhecimento da população e por mudanças no perfil de morbimortalidade das doenças no Brasil. Por outro lado, observa-se que novas tecnologias de informação, e, sobretudo, a Inteligência Artificial  (IA), ao lado do Big Data, têm impactado fortemente a humanidade nas últimas décadas, através de soluções e de inovações nos processos em todos os segmentos, sobretudo no gigantesco ecossistema da saúde, uma das áreas mais beneficiadas pela IA, principalmente pelo volume de dados gerados, a partir de técnicas de deep learning (aprendizagem profunda) e machine learning (aprendizagem de máquina). Diversos setores e segmentos são, inequivocamente, afetados pelo uso da IA, tanto públicos como privados, como: gestão, pesquisa e planejamento, hospitalar, diagnóstico médico, descoberta de novas drogas, detecção de fraudes e segurança de dados e também a alocação de recursos. Em outra vertente, a cultura organizacional denominada de data-driven decisions tem sido adotada hodiernamente, ou seja, de processos decisórios orientados a partir dos dados, objetivando-se melhorias na eficácia, na equidade e na eficiência dos sistemas e dos processos organizacionais. Nesse contexto, foi realizada uma revisão integrativa da literatura a partir do seguinte questionamento de pesquisa: “O que a literatura científica apresenta sobre o uso da inteligência artificial no suporte ao processo decisório para alocação de recursos na saúde pública no Brasil?”. Para elaboração da pergunta de pesquisa foram considerados os polos População, Fenômeno e Contexto – PFC. A Saúde Pública foi definida como polo população, a Inteligência Artificial como polo fenômeno e à Alocação de Recursos/Processo Decisório foi atribuído o polo contexto. A pesquisa foi realizada nas bases de dados PUBMED, Embase, Scopus, SciELO, Web of Science e BVS. Foram selecionados somente artigos nos idiomas inglês, português ou espanhol, com trabalhos publicados até 25/03/2023 e realizados exclusivamente no Brasil. Como critérios de exclusão foram definidos: editoriais, cartas ao redator, capítulos de livros, revistas e/ou reportagens não científicas, anais de conclaves científicos, arquivos sem acesso livre, além de estudos que não estavam relacionados ao tema da pesquisa. Foram encontrados 223 artigos e selecionados para revisão cinco artigos, sendo os motivos de exclusão a duplicidade (foi utilizado o gerenciador de referências bibliográficas Mendeley), a análise dos títulos e/ou resumos e a leitura textual completa dos estudos que não estavam relacionados à pergunta de pesquisa. Foi elaborado um quadro síntese com os artigos selecionados na busca final, contendo informações sobre o autor, o ano de publicação, a aplicação da IA (se na gestão e/ou na área assistencial), a base de dados em saúde utilizada no estudo, as ferramentas de IA aplicadas no estudo e os impactos gerenciais, e/ou assistenciais e/ou financeiros na saúde após a utilização da IA. Da análise dos estudos selecionados, observam-se experiências pontuais, como o uso de dados e plataformas tecnológicas próprias de apoio à gestão, com sistemas de recomendação e processamento de linguagem natural para apoio ao planejamento e às ações e avaliação da gestão. Há também um relato utilizando a IA durante a pandemia, a partir dos dados do sistema de informações geográficas (SIG) e das unidades básicas de saúde, subsidiando o processo decisório da alocação de recursos necessários para imunização contra a COVID-19, aplicando-se algoritmos a imagens de satélite, associados às condições de acesso à internet móvel e o mapeamento de tendências espaço-temporais de casos graves de COVID-19. Em outro estudo, a IA também foi aplicada para identificar padrões e características materno-fetais para predição da mortalidade infantil, a partir da mineração em base de dados em saúde, com análise dos óbitos infantis, integrando sistemas de informações de nascidos vivos, da mortalidade e da investigação da mortalidade infantil, estratificando regras de atenção e cuidados para determinados grupos de risco. Outro estudo foi conduzido com o suporte de técnicas computacionais e da mineração de dados, analisando-se condições do ambiente físico para a classificação de microáreas de risco, através da análise de uma série de atributos, a partir de uma base de dados elaborada por agentes comunitários de saúde. Em outro trabalho, os autores apresentaram, através de análises utilizando redes neurais profundas, projeções sobre o comportamento da pandemia para geração de boletins epidemiológicos, com predições a curto prazo, com base em dados históricos, permitindo auxiliar os gestores públicos na tomada de decisão para realocação de recursos hospitalares e otimização das estratégias de controle da COVID-19, nas diversas regiões do estado base do estudo. Conclui-se que, embora no Brasil a IA já tenha obtido algum progresso no que concerne ao uso das tecnologias vigentes, observando-se algumas iniciativas e programas pontuais voltados para gestão, eficiência e otimização dos recursos com suporte da IA, não se observam trabalhos científicos que apontem para uma política de Estado de decisões e alocação de recursos públicos em saúde, a partir do uso da IA, em que pese o gigantesco conjunto de dados em saúde existente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Rojas-Gualdron DF. Artificial Intelligence in Health Care: The Hope, the Hype, the Promise, the Peril. National Academy of Medicine. Una reseña. CES Medicina [Internet]. 11 maio 2022 [citado 26 mar 2023];36(1):76-8. Disponível em: https://doi.org/10.21615/cesmedicina.6571 DOI: https://doi.org/10.21615/cesmedicina.6571

Shinde S.G., Malani P.S., Review Paper on Internet on Things (IoT) and its Applications, International Research Journal of Humanities and Interdisciplinary Studies (www.irjhis.com), ISSN : 2582-8568, Special Issue, February 2023 International Conference Organized by V. P. Institute of Management Studies & Research, Sangli (Maharashtra, India), Page No : 95-104,

Acciarini C, Cappa F, Boccardelli P, Oriani R. How can organizations leverage big data to innovate their business models? A systematic literature review. Technovation [Internet]. Maio 2023 [citado 26 mar 2023]; 123:102713. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.technovation.2023.102713. DOI: https://doi.org/10.1016/j.technovation.2023.102713

Ikegwu AC, Nweke HF, Anikwe CV, Alo UR, Okonkwo OR. Big data analytics for data-driven industry: a review of data sources, tools, challenges, solutions, and research directions. Clust Comput [Internet]. 12 mar 2022 [citado 26 mar 2023]. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s10586-022-03568-5. DOI: https://doi.org/10.1007/s10586-022-03568-5

Turing, A. M. (1950). Computing Machinery and Intelligence. Mind, 59(236), 433–460. http://www.jstor.org/stable/2251299 DOI: https://doi.org/10.1093/mind/LIX.236.433

Anyoha R. Science in the News [Internet]. The History of Artificial Intelligence - Science in the News; 28 ago 2017 [citado 26 mar 2023]. Disponível em: https://sitn.hms.harvard.edu/flash/2017/history-artificial-intelligence

Lynch S. Stanford Graduate School of Business [Internet]. Andrew Ng: Why AI Is the New Electricity; 11 mar 2017 [citado 26 mar 2023]. Disponível em: https://www.gsb.stanford.edu/insights/andrew-ng-why-ai-new-electricity

Ali O, Abdelbaki W, Shrestha A, Elbasi E, Alryalat MA, Dwivedi YK. A systematic literature review of artificial intelligence in the healthcare sector: Benefits, challenges, methodologies, and functionalities. J Innov Amp Knowl [Internet]. Jan 2023 [citado 26 mar 2023];8(1):100333. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jik.2023.100333 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jik.2023.100333

Jiang F, Jiang Y, Zhi H, Dong Y, Li H, Ma S, Wang Y, Dong Q, Shen H, Wang Y. Artificial intelligence in healthcare: past, present and future. Stroke Vasc Neurol [Internet]. 21 jun 2017 [citado 26 mar 2023];2(4):230-43. Disponível em: https://doi.org/10.1136/svn-2017-000101 DOI: https://doi.org/10.1136/svn-2017-000101

Social Good Brasil [Internet]. O que você precisa entender sobre dados para se tornar uma organização data driven | Social Good Brasil; 15 maio 2019 [citado 26 mar 2023]. Disponível em: https://socialgoodbrasil.org.br/blog/entenda-tudo-sobre-dados-para-se-tornar-uma-organizacao-data-driven

Perry J.S. What is big data? More than volume, velocity and variety; [Internet]. 22 maio 2017 [citado 26 mar 2023]. Disponível em: https://developer.ibm.com/blogs/what-is-big-data-more-than-volume-velocity-and-variety/.

The Economist [Internet]. The world’s most valuable resource is no longer oil, but data; 6 maio 2017 [citado 26 mar 2023]. Disponível em: https://www.economist.com/leaders/2017/05/06/the-worlds-most-valuable-resource-is-no-longer-oil-but-data.

Coughlin S, Roberts D, O’Neill K, Brooks P. Looking to tomorrow’s healthcare today: a participatory health perspective. Intern Med J [Internet]. Jan 2018 [citado 26 mar 2023];48(1):92-6. Disponível em: https://doi.org/10.1111/imj.13661. DOI: https://doi.org/10.1111/imj.13661

IDC White Paper. The Digitization of the World From Edge to Core [Internet]; nov 2018 [citado 26 mar 2023]. Disponível em: https://www.seagate.com/files/www-content/our-story/trends/files/idc-seagate-dataage-whitepaper.pdf

Chatterjee S, Chaudhuri R, Vrontis D. Does data-driven culture impact innovation and performance of a firm? An empirical examination. Ann Oper Res [Internet]. 3 jan 2021 [citado 26 mar 2023]. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s10479-020-03887-z DOI: https://doi.org/10.1007/s10479-020-03887-z

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>.

Mendes A, Carnut L. Capital, Estado, Crise e a Saúde Pública brasileira. SER Soc [Internet]. 27 jan 2020 [citado 26 mar 2023];22(46):9-32. Disponível em: https://doi.org/10.26512/ser_social.v22i46.25260 DOI: https://doi.org/10.26512/ser_social.v22i46.25260

Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia. Portaria MCTI nº 4.617, de 6 de abril de 2021, alterada pela Portaria MCTI nº 4.979, de 13 de julho de 2021. Institui a Estratégia Brasileira de Inteligência Artificial - EBIA. Diário Oficial da União 15 jul 2021; Seção 1. Disponível em :<https://www.gov.br/mcti/pt-br/acompanhe-o-mcti/transformacaodigital/arquivosinteligenciaartificial/ebia-documento_referencia_4-979_2021.pdf>.

Martins Lemes M, Nunes Lopes Espiñeira Lemos A. O uso da inteligência artificial na saúde pela Administração Pública brasileira. CAD IBERO AM DIREITO SANIT [Internet]. 29 set 2020 [citado 26 mar 2023];9(3):166-82. Disponível em: https://doi.org/10.17566/ciads.v9i3.684 DOI: https://doi.org/10.17566/ciads.v9i3.684

Downloads

Publicado

03-10-2023

Como Citar

1.
Nóbrega de Souza G, Vilela BULGARELI J. Uso da inteligência artificial aplicada ao processo decisório na alocação de recursos na saúde pública do Brasil : uma revisão integrativa da literatura. J Manag Prim Health Care [Internet]. 3º de outubro de 2023 [citado 29º de fevereiro de 2024];15(spec):e012. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1352