Alocação de recursos financeiros para a atenção primária à saúde

uma revisão integrativa da literatura

Autores

  • Janaína Diniz Universidade de São Paulo – USP, Faculdade de Saúde Pública – FSP
  • Jaqueline Bulgareli Faculdade de Odontologia – FO, Universidade de Uberlândia – UFU https://orcid.org/0000-0002-5632-4333

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v15.1349

Palavras-chave:

Alocação de Recursos, Atenção à Saúde, Atenção Primária à Saúde

Resumo

A Atenção Primária à Saúde – APS tem seus primórdios em 1920, na Inglaterra, com a discussão sobre seu conceito realizada apenas na década de 1970 com a Declaração de Alma Ata. A APS contempla como componente essencial o acesso universal, o reconhecimento dos determinantes sociais no processo saúde-doença, a participação social e comunitária, e o primeiro contato da população com o sistema de saúde. Desta forma, a APS não compreende um conjunto de atividades clínicas, mas o nível de atenção que fornece cuidado sobre as pessoas no decorrer do tempo, para todas as condições, assim como, coordena e integra a atenção ofertada em outros serviços das Redes de Atenção à Saúde – RAS. No Brasil, não houve consenso sobre a utilização do termo para denominar o primeiro nível de atenção à saúde, sendo adotado o termo Atenção Básica à Saúde – ABS, implicando de forma conceitual, ideológica e operacional para o Sistema Único de Saúde – SUS, incluindo o modelo de financiamento federal. A partir da municipalização, os municípios assumiram papel importante na descentralização do SUS, incluindo a gestão da APS. A cooperação financeira aos estados e municípios foi operacionalizada pelas Normas Operacionais Básicas – NOB, que iniciou na lógica de prestação de ações médicas. A Política Nacional de Atenção Básica, publicada em 2006, apontou as diretrizes e princípios entre as três esferas de governo, incluindo a composição do financiamento de forma tripartite. Doravante a promulgação da EC n. 95/2016, elevou-se a participação municipal no financiamento da APS, uma vez que os gastos estaduais são variados e incipientes. Em 2020, foi aprovado um novo modelo de alocação de recursos financeiros para a APS, denominado Previne Brasil, que induziu a política de saúde para atuar de forma individualista e curativista, restringindo acesso à população cadastrada. Importante mencionar que a Pandemia da COVID-19 enfatizou a magnitude da APS para o SUS, diante de sua atuação no momento de crise sanitária, demonstrando a necessidade de financiamento adequado para a APS, de forma compatível com seu conceito ampliado, baseado nas necessidades de saúde da população e com a participação efetiva das três esferas de governo. Diante disto, o objetivo principal deste trabalho está em revisar a literatura científica sobre experiências locais de alocação de recursos financeiros para a APS, visando à ampliação do acesso. O método proposto é uma revisão integrativa da literatura nas bases de dados BVS, Scielo e PubMed. Para isto, determinou-se a pergunta de pesquisa: “O que a literatura científica apresenta sobre as experiências locais de alocação de recursos financeiros para a atenção primária à saúde, visando à ampliação de acesso?” Na estratégia de busca foram identificados os polos orientadores para a busca dos descritores em cada uma das bases relacionadas, por meio da plataforma de Descritores em Ciências da Saúde (DeCs) para as buscas na base Biblioteca Virtual em Saúde – BVS e Scielo, e descritores em inglês pela plataforma Nacional Library of Medicine (MeSH) para as buscas no PubMed. Os polos foram definidos em: 1) Fenômeno: alocação de recursos; 2) População: atenção primária à saúde; 3) Contexto: experiências locais. Foram identificadas 26 sintaxes finais por cada base de dados, uma vez que o objetivo do estudo é buscar experiências locais de alocação de recursos financeiros e, com isso, foram utilizados como termos livres os nomes dos estados da federação brasileira, sendo excluído o estado do Pará, pelas bases de dados compreenderem a palavra "Pará” como sendo a proposição “para”. Assim, foram construídas 78 sintaxes finais, alterando-se apenas os nomes dos Estados nas buscas. Para o processo de seleção das publicações foi utilizado o Fluxograma Prisma, recuperando 715 publicações, que foram importadas para o software de gerenciamento de referências bibliográficas Zotero. Inicialmente, foram excluídas de forma eletrônica 64 publicações por títulos repetidos. Das 648 publicações restantes, 463 foram excluídas após a leitura dos títulos. Para a leitura dos resumos foram selecionadas 185 publicações, sendo excluídas 153, com 151 publicações que não apresentaram os critérios de inclusão e dois que não apresentaram resumo. Foram selecionadas 32 publicações para a leitura completa, das quais quatro foram excluídas por estarem indisponíveis para leitura na íntegra, restando 28 publicações para a leitura completa. Após a leitura, foram incluídas nove publicações que contribuíram para a revisão do tema, destas uma é dissertação de mestrado que foi encontrada por meio da base de dados BVS, incluída pelo critério de inclusão, mas considerada como literatura cinzenta. Em análise preliminar dos resultados, observou-se que os maiores percentuais de alocação financeira estão concentrados na média e alta complexidade (MAC), seja por Municípios, Estados ou União. Foram encontradas experiências de alocação financeira para a APS pelos três entes federados, o que resultou na indução da implantação de equipes de saúde da família (eSF), expandindo a APS, com os municípios sendo os principais financiadores, responsáveis por 70% dos recursos despendidos.  Assim como, apontaram que as transferências de recursos da União e Estados aos Municípios estavam direcionadas a programas específicos, não considerando critérios demográficos, epidemiológicos, capacidade instalada e financeira, e necessidades de saúde, o que implica na falta de autonomia municipal para utilização dos recursos em suas reais necessidades. Por outro lado, observou-se experiências em que houve redução na alocação financeira para a APS, implicando na redução da cobertura populacional pela APS, redução da cobertura de saúde bucal e redução no número de agentes comunitários de saúde. A austeridade implicou no desempenho dos serviços de saúde, demonstrando que há relação direta entre alocação financeira e ampliação da cobertura da Atenção Primária à Saúde nos municípios, o que ampliaria também, o acesso aos serviços da APS pela população. Por fim, conclui-se que para a ampliação do acesso à APS se faz necessária a ampliação da cobertura dos serviços que a compõe, como a ampliação das eSF nos territórios. Para que esta ampliação seja efetivada há necessidade em aumentar a alocação financeira pelo ente federal e garantir alocação pelo ente estadual, a fim de que haja sustentabilidade da APS nos próximos anos, priorizando este nível de atenção como ordenadora do sistema local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Mello GA, Fontanella BJB, Demarzo MMP. Atenção Básica e Atenção Primária à Saúde - Origens e diferenças conceituais. Revista da APS. 2009;12(2).

Mendes Á, Carnut L, Guerra LD. Reflexões acerca do financiamento federal da Atenção Básica no Sistema Único de Saúde. Saúde em Debate [Internet]. Set 2018 [citado 21 nov 2022];42(spe1):224-43. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s115 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s115

Giovanella L. Atenção básica ou atenção primária à saúde? Cadernos de Saúde Pública [Internet]. 20 ago 2018 [citado 21 nov 2022];34(8). Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311x00029818 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00029818

Starfield B.; Shi, L.; Macinko, J. Contribution of primary care to health systems and health. Milbank Memorial Fund Quartely, New York, v. 83, n. 3, p. 457-502, 2005. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1468-0009.2005.00409.x

Conill EM. Ensaio histórico-conceitual sobre a Atenção Primária à Saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Cadernos de Saúde Pública [Internet]. 2008 [citado 21 nov 2022];24(suppl 1):s7—s16. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0102-311x2008001300002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300002

Ugá MA, Piola SF, Porto SM, Vianna SM. Descentralização e alocação de recursos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ciência & Saúde Coletiva [Internet]. 2003 [citado 21 nov 2022];8(2):417-37. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1413-81232003000200008 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232003000200008

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal; 1988.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília,DF, 2006.

Giovanella L, Franco CM, Almeida PF. Política Nacional de Atenção Básica: para onde vamos? Ciência & Saúde Coletiva [Internet]. Abr 2020 [citado 21 nov 2022];25(4):1475-82. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232020254.01842020 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020254.01842020

Brasil. Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012. Regulamenta o parágrafo 3º da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios em ações e serviços públicos de saúde; estabelece critérios de rateio dos recursos de transferências para a saúde e outras providências Diário Oficial da União. 14 Jan 2012.

Emenda Constitucional nº 29, de 2000, Emenda Constitucional n.º 29 [Internet], 13 set 2000 [citado 21 nov 2022] (Brasil). Disponível em: https://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex:br:federal:emenda.constitucional:2000-09-13;29

Melo EA, Almeida PF, Lima LD, Giovanella L. Reflexões sobre as mudanças no modelo de financiamento federal da Atenção Básica à Saúde no Brasil. Saúde em Debate [Internet]. 2019 [citado 21 nov 2022];43(spe5):137-44. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s512 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s512

Mendes Á, Melo MA, Carnut L. Análise crítica sobre a implantação do novo modelo de alocação dos recursos federais para atenção primária à saúde: operacionalismo e improvisos. Cadernos de Saúde Pública [Internet]. 2022 [citado 21 nov 2022];38(2). Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311x00164621 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00164621

Cirino FM, Aragão JB, Meyer G, Campos DS, Gryschek AL, Nichiata LY. Desafios da atenção primária no contexto da COVID-19. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade [Internet]. 14 jul 2021 [citado 21 nov 2022];16(43):2665. Disponível em: https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2665 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2665

Pereira B, Faleiros D. Home - CONASEMS [Internet]. Financiamento do SUS na perspectiva municipal: contribuições do CONASEMS sobre o debate; [citado 21 nov 2022]. Disponível em: https://www.conasems.org.br/wp-content/uploads/2022/08/Financiamento-do-SUS-na-perspectiva-municipal.pdf

Dal K, Mendes S, Cristina De Campos R, Silveira P, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Context - Enferm [Internet]. Dezembro de 2008 [citado 26 de Março de 2023];17(4):758–64. Disponível em: http://www.scielo.br/j/tce/a/XzFkq6tjWs4wHNqNjKJLkXQ/abstract/?lang=pt DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

Soares CB, Hoga LAK, Peduzzi M, Sangaleti C, Yonekura T, Silva DRAD. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Rev da Esc Enferm da USP [Internet]. 2014 [citado 26 de Março de 2022];48(2):335–45. Disponível em: http://www.scielo.br/j/reeusp/a/3ZZqKB9pVhmMtCnsvVW5Zhc/?lang=pt DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-6234201400002000020

Assis MM, Jesus WL. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Cienc Amp Saude Coletiva [Internet]. Nov 2012 [citado 24 abr 2023];17(11):2865-75. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1413-81232012001100002

Assis MM, Jesus WL. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Cienc Amp Saude Coletiva [Internet]. Nov 2012 [citado 24 abr 2023];17(11):2865-75. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1413-81232012001100002 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100002

Downloads

Publicado

18-09-2023

Como Citar

1.
Diniz J, Bulgareli J. Alocação de recursos financeiros para a atenção primária à saúde: uma revisão integrativa da literatura. J Manag Prim Health Care [Internet]. 18º de setembro de 2023 [citado 29º de fevereiro de 2024];15(spec):e027. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1349