Insegurança alimentar e nutricional no Brasil

contribuições a partir da economia política da saúde – revisão sistemática integrativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v15.1333

Palavras-chave:

Segurança Alimentar, Produção Agrícola , Fatores Socioeconômicos , Brasil

Resumo

A insegurança alimentar e nutricional (IAN) é um problema global que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Em 2022, no Brasil verificou-se que 33,1 milhões de pessoas estavam em situação de fome. Existem vários fatores que contribuem para a IAN, incluindo a pobreza, a falta de acesso a serviços básicos de saúde, a falta de educação nutricional e a instabilidade econômica. Ao analisar o contexto histórico para o combate da IAN no Brasil observou-se que as primeiras ações contra a fome são da década de 1930, e desde então foram criados diversos programas, porém sempre seguidos de descontinuidades. A criação de políticas e programas voltados para essas áreas estiveram sempre presentes, mas o fato é que as crises econômicas externas e internas, a despolitização, descontinuidade e descentralização dos recursos financeiros, por diversas vezes desestabilizaram os avanços dessas políticas públicas de combate à fome, além da falta de prioridade na agenda política do governo federal, o que contradiz com o histórico de produção agrícola que sempre alcança valores altos. Este estudo é uma revisão da literatura do tipo integrativa que foi desenvolvida a partir da seleção sistemática da literatura científica. Para construção e desenvolvimento das etapas da revisão, foi utilizada a pergunta norteadora: “O que a literatura científica apresenta sobre a relação entre a insegurança alimentar e nutricional e os aspectos econômicos da produção agrícola a partir das agendas políticas de governo nos últimos 20 anos?”. Os critérios de inclusão foram: (a) tipo de documento – artigo científico publicados nos últimos 20 anos; (b) idioma: português, inglês, espanhol ou francês; (c) publicações oficiais nos sites do governo. As bases de dados selecionadas foram BVS (Lilacs), Scopus (Elsevier), Pubmed (Medline); e os termos primários de busca foram: Insegurança Alimentar e Nutricional (fenômeno), Produção Agrícola (objeto); Aspectos Econômicos (contexto). Após a realização da busca nas bases de dados, 3.982 registros foram encontrados, utilizando o software Rayyan para o gerenciamento das referências, identificou-se automaticamente 96 textos com duas cópias exatas e 50 textos com três cópias exatas, totalizando 196 artigos que foram excluídos. A análise foi feita com 3.786 artigos. Levando em consideração os critérios inclusão, permaneceram na revisão 44 artigos científicos e foram incluídas mais 10 publicações de sites oficiais do governo para realização de leitura na íntegra. Durante a análise, observou-se que o Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE é reconhecido mundialmente e tem sido fonte de inspiração para outros países. No entanto, surge a dúvida se seremos capazes de manter os avanços alcançados, como sempre amplamente discutidos em diversos setores, há uma série de descontinuidades e desgovernos durante os anos. As tendências de pesquisa em políticas públicas relacionadas ao PNAE também foram avaliadas, assim como o panorama da compra de alimentos da agricultura familiar. O Programa de Aquisição de Alimentos – PAA é um exemplo de programa integrado que apoia a segurança alimentar e nutricional, ressaltando a importância dos sistemas de terra agrícola para alcançar metas de desenvolvimento sustentável. Em total disparidade, alguns artigos destacam os desafios relacionados à (in)segurança alimentar e nutricional das próprias famílias de agricultores que fornecem alimentos para o programa. Além do PNAE e do PAA, outros programas e políticas relacionados à segurança alimentar são discutidos, como o Plano Brasil Sem Miséria e o Programa Bolsa Família. Durante a pandemia da COVID-19, a fome no Brasil atingiu números alarmantes. Segundo os dados do primeiro Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar, no primeiro ano da pandemia, 116,8 milhões de pessoas não tinham acesso pleno e permanente a alimentos. Ao analisarmos os mesmos anos de pandemia, o valor da produção agrícola em 2020 atingiu R$ 470,5 bilhões, 30,4% maior que em 2019, e em 2021, R$ 743,3. As commodities mais importantes na produção agrícola no Brasil são soja (grão), milho (grão), cana de açúcar, café (grão), produtos que não podem ir direto para o prato dos brasileiros. Em 2021, o total exportado com o agronegócio resultou em US$ 120,59 bilhões, alta de 19,7%, em relação ao ano anterior, segundo a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais – SCRI do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A exportação de commodities agrícolas e o aumento das receitas geradas por meio do agronegócio mostram o potencial econômico do setor. Em conclusão, embora o PNAE seja reconhecido e inspire outros países, é necessário superar os desafios de descontinuidade e desgovernança para manter os avanços alcançados. A insegurança alimentar e nutricional enfrentada pelas famílias de agricultores e a persistência da fome no país durante a pandemia destacam a importância de políticas públicas efetivas e abrangentes nessa área. O crescimento da produção agrícola e as receitas geradas pelo agronegócio mostram o potencial do Brasil, mas é necessário garantir que esses recursos sejam direcionados para atender às necessidades internas e promover a segurança alimentar e nutricional para todos os brasileiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

A fome e a insegurança avançam em todo o Brasil [Internet]; [citado 8 dez 2022]. Disponível em: https://olheparaafome.com.br/.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Estatística da Produção Agrícola: Dezembro 2022. [Internet]; [citado em 17 abr 2023] Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=72415.

FAO, IFAD and WFP. 2014. The State of Food Insecurity in the World 2014. Strengthening the enabling environment for food security and nutrition. Rome, FAO.

FAO, IFAD, UNICEF, WFP and WHO. 2022. The State of Food Security and Nutrition in the World 2022. Repurposing food and agricultural policies to make healthy diets more affordable. Rome, FAO. https://doi.org/10.4060/cc0639en DOI: https://doi.org/10.4060/cc0639en

Pinto, Henrique Salles. A Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil (Parte 1): A Modernização do Estado e os Avanços na Superação da Fome. [Internet] Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas/CONLEG/Senado, agosto/2014 (Texto para Discussão nº 150). [citato em 17 abr 2023]. Disponível em: www.senado.leg.br/estudos.

de Assis Guedes de Vasconcelos F. Combate à fome no Brasil: uma análise histórica de Vargas a Lula. Rev Nutr. Jan 2005;18(4). DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-52732005000400001

Pereira Silva S. A trajetória histórica da segurança alimentar e nutricional na agenda política nacional: Projetos, descontinuidades e consolidação [Internet]. [Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)]; 2014 [citado 18 abr 2023]. 82 p. Disponível em: https://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/3019

Downloads

Publicado

31-08-2023

Como Citar

1.
Fernandes B, Dias da Silva Guerra L. Insegurança alimentar e nutricional no Brasil: contribuições a partir da economia política da saúde – revisão sistemática integrativa. J Manag Prim Health Care [Internet]. 31º de agosto de 2023 [citado 29º de fevereiro de 2024];15(spec):e003. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1333

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>