O enfrentamento da pandemia do SARS-CoV 2 no Brasil e o impacto das ações do SUS na atenção terciária à saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v15.1310

Palavras-chave:

COVID-19, Sistema Único de Saúde, Planejamento em Saúde, Atenção Terciária à Saúde

Resumo

O Brasil tem 3% da população mundial, mas até maio de 2023 apresentou 10% das mortes registradas por COVID-19. As projeções estimadas, entretanto, mostram quase 18 milhões de mortes no mundo todo decorrentes da pandemia em três anos de evolução. Esse desastre sem precedentes revela o quanto governos e organizações mundiais falharam no reconhecimento e organização a partir dos primeiros casos relatados na China, em dezembro de 2019, de uma síndrome respiratória grave causada por um novo tipo de Coronavírus. A resposta à pandemia expôs a urgência em revisar planos de enfrentamento de catástrofes e suas consequências na saúde, na economia, no meio ambiente e na sociedade como um todo. A incapacidade de cooperação multilateral foi consequência da demora no reconhecimento de uma nova epidemia potencialmente letal e facilmente transmissível por indivíduos assintomáticos, demora na análise de evidências e adoção de práticas de prevenção do contágio, não-garantia da provisão e equidade na distribuição de suprimentos, equipamentos de proteção individual (EPI), medicamentos, métodos diagnósticos e posteriormente vacinas, principalmente para países de baixa renda, consequências do isolamento social para a saúde mental da população, fracasso no combate à desinformação e ausência de recursos e redes globais e nacionais de proteção a populações mais vulneráveis. A pandemia evoluiu em diferentes ondas devido ao aparecimento de novas variantes e relaxamento das medidas de prevenção do contágio, que testaram a resiliência dos sistemas de saúde na capacidade de detecção de novos casos, na assistência a pacientes mais graves, na manutenção do suporte a doenças crônicas e resolução da demanda reprimida para a atenção à saúde em geral. No Brasil, o Sistema Único de Saúde – SUS, cronicamente subfinanciado desde sua criação, desvirtuado da sua concepção de universalidade, integralidade e equidade pelas recentes políticas de governo e desacreditado pela população, mostrou a importância dos sistemas universais de saúde na disponibilização de recursos e organização em situações de emergência e a indispensável necessidade de minimizar suas carências. É a partir dessa premissa que é feito esse trabalho, para ponderar a resposta do SUS à pandemia e distinguir possibilidades de aprimoramento nas políticas públicas de saúde, através da pergunta “Qual foi o impacto das ações governamentais e do SUS (POLO FENÔMENO) na atenção terciária à saúde (POLO POPULAÇÃO/OBJETO) durante o enfrentamento da pandemia COVID-19 (POLO CONTEXTO)?”. Foi feita uma revisão de escopo com identificação de descritores e busca exploratória nas plataformas de base de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde – Lilacs/Medline, Scientific Eletronic Library Online – SciELO, PubMed/Medline e Scopus e referência cruzada (por autor ou assunto). Foi feito um levantamento usando os descritores obtidos na Biblioteca Virtual de Saúde – BVS Planejamento em saúde, Política de Saúde, Sistema Único de Saúde, Sistemas de Saúde e Capacidade de resposta ante emergências para o polo Fenômeno. Para o polo População/Objeto foram pesquisados os descritores Atenção terciária e Hospitais públicos, e para o polo Contexto, COVID-19, SARS-Cov 2 e Infecção por coronavírus. Foram feitos testes exploratórios utilizando os operadores booleanos AND (combinação dos descritores dos polos Fenômeno/População e Contexto) e OR (entre os descritores dos polos Fenômeno e População e no polo Contexto). Os critérios de inclusão foram assunto principal COVID-19 – Sars-Cov2 – infecção por coronavírus, texto completo disponível na plataforma, idiomas inglês, português e espanhol, no período 2019–2023. Por critérios de exclusão, duplicidade do texto nas plataformas, indisponibilidade do texto completo sem assinatura. Como a pesquisa avançada não encontrasse nenhum resultado na mesclagem dos descritores, foram selecionados todos os artigos que tivessem “COVID-19”, “Sars-Cov 2” ou “Infecção por coronavírus” como assunto principal. Essa estratégia obteve dezenas de estudos, mas a maioria dos artigos usados para discussão foi obtida através de referência cruzada. Foram escolhidos estudos sobre países com sistemas universais de saúde, como o brasileiro, e sistemas mistos para comparar outras experiências e aprendizados no enfrentamento da pandemia. No Brasil, foi analisada a resposta nas regiões Sudeste, Nordeste e Norte, epicentros da pandemia no país em diferentes épocas. Sintaxe BVS: (mh:("planejamento em saúde")) OR (mh:("política de saúde")) OR ("resiliência de sistemas de saúde") OR (mh:("capacidade de resposta ante emergências") AND db:("MEDLINE" OR "LILACS")) AND (year_cluster: [2019 TO 2023]) AND (mj:("COVID-19" OR "Infecções por Coronavirus")). Sintaxe Scielo: ((Planejamento em saúde) OR (Política de saúde) OR (Sistema Único de Saúde) OR (Sistemas de saúde) OR (Capacidade de resposta ante emergências)) OR (Atenção terciária) OR (hospitais públicos) AND ((COVID-19) OR (SARS-Cov 2) OR (Coronavírus)). Sintaxe Scopus: ( ( ( planejamento  AND em  AND saúde )  OR  ( política  AND de  AND saúde )  OR  ( sistema  AND único  AND de  AND saúde )  OR  ( sistemas  AND de  AND saúde )  OR  ( capacidade  AND de  AND resposta  AND ante  AND emergências ) )  OR  ( atenção  AND terciária )  OR  ( hospitais  AND públicos )  AND  ( ( covid-19 )  OR  ( sars-cov  2 )  OR  ( coronavirus ) ). A busca retornou 1.819 artigos, dos quais foram triados 206 para leitura dos resumos e 67 para leitura completa. Destes, 47 foram incluídos neste trabalho. Serão discutidos o dimensionamento e alocação de recursos hospitalares nas regiões brasileiras, as diferenças de mobilização entre o setor público e privado, as disparidades socioeconômicas, as ondas de propagação da COVID-19 e padrões de mortalidade decorrentes em regiões específicas e a associação entre desigualdade de recursos de assistência à saúde disponíveis e mortes evitáveis. Serão abordados textos referentes aos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Amazonas, e às respostas na Itália, Espanha e Reino Unido e em países com extremos de desempenho como Alemanha e Estados Unidos. Serão discutidas condições de melhoria na resiliência de sistemas de saúde tanto para enfrentamento de emergências sanitárias e catástrofes quanto para manutenção da assistência à saúde fora desse contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Sachs JD, Abdool Karim SS, Aknin L, Allen J, Brosbᶲl K, Colombo F et al. The Lancet Commission on lessons for the future from the COVID-19 pandemic. Lancet 2022; 400: p. 1224-80. Disponível em https://doi.org/10.1016/s0140-6736(22)01585-9 DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(22)01585-9

Aguiar L. Os 12 conflitos armados que mais mataram pessoas. Super interessante. Atualizado em 21 dez 2016, 10h13 - Publicado em 29 nov 2011, 13h15. Disponível em

https://super.abril.com.br/coluna/superlistas/os-12-conflitos-armados-que-mais-mataram-pessoas/

WHO. WHO coronavirus disease (COVID-19) dashboard. June 30, 2020. Disponível em

https://covid19.who.int/

Global Health Security Index. Building Collective Action and accountability. Disponível em https://www.ghsindex.org/wp-content/uploads/2019/10/2019-Global-Health-Security-Index.pdf

COVID-19 Dashboard by the Center for Systems, Science and Engineering (CSSE) at Johns Hopkins University (JHU). Disponível em https://coronavirus.jhu.edu/map.html

Bousquat A, Akerman M, Mendes A, Louvison M, Frazão P, Narvai PC. Pandemia de covid-19: o SUS mais necessário do que nunca. Rev. USP [Internet]. 2 de setembro de 2021 [citado 23 de março de 2023];1(128): p. 13-26. Disponível em DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i128p13-26

https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/185393

Arkey H, O’Malley L. Scoping studies: towards a methodological framework. Int J Soc Res Methodol 2005; 8(1): p. 19-32. Disponível em https://doi.org/10.1080/1364557032000119616 DOI: https://doi.org/10.1080/1364557032000119616

Levac D, Colquhoun H, O’Brien K. Scoping studies: advancing the methodology. Implement Sci

;5: p. 69-77. Disponível em http://doi:10.1186/1748-5908-5-69 DOI: https://doi.org/10.1186/1748-5908-5-69

Cotrim-Jr. DF, Cabral LMS. Ações do Governo Federal no combate à coronacrise: limites, insuficiência e escassos acertos. Physis 2020; 30(2): e300225. Disponível em

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312020300225 DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-73312020300225

Paes-Sousa R. Brevíssimo inventário dos fracassos no enfrentamento da COVID-19 no Brasil. Rev bras estud popul 2021; 38: e0143. Disponível em https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0143 DOI: https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0143

Funcia F, Bresciani LP, Benevides R, Ocké-Reis CO. Análise do financiamento federal do Sistema Único de Saúde para o enfrentamento da COVID-19. Saúde debate 2022; 46(133). Disponível em https://doi.org/10.1590/0103-1104202213301 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104202213301

Costa NR. A resiliência das grandes cidades brasileiras no financiamento da saúde na pandemia de COVID-19. Saúde debate 2022; 45(spe2). Disponível em

https://doi.org/10.1590/0103-11042021E201 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042021e201

Rache B, Rocha R, Nunes L, Spinola P, Malik AM, Massuda A. Necessidades de infraestrutura do SUS em preparo à COVID-19: leitos de UTI, respiradores e ocupação hospitalar. Nota técnica N.3 2020. IEPS Instituto de Estudos para Políticas de Saúde. Disponível em

https://ieps.org.br/nota-tecnica-03/

Cotrim-Jr. DF, Cabral LMS. Crescimento dos leitos de UTI no país durante a pandemia de COVID-19: desigualdades entre o público x privado e iniquidades regionais. Physis 2020; 30(3): e 300317. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0103-73312020300317 DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-73312020300317

Rocha R, Atun R, Massuda A, Rache B, Spinola P, Nunes L, Lago M et al. Effect of socioeconomic inequalities and vulnerabilities on health-systema preparedness and response to COVID-19 in Brazil: a comprehensive analysis. The Lancet. Global health 2021; 9(6): p. 82–92. Disponível em https://doi.org/10.1016/S2214-109X(21)00081-4 DOI: https://doi.org/10.1016/S2214-109X(21)00081-4

Pereira CCA, Soares FRG, Machado CJ, Frio GS, Alves LC, Herkrath FJ, Lima RTS et al. Development of an index to assess COVID-19 hospital care installed capacity in the 450 Brazilian health regions. Disaster Med Public Health Prep 2022; 17: e275. Disponível em

https://doi.org/10.1017/dmp.2022.214 DOI: https://doi.org/10.1017/dmp.2022.214

Santos PPGV, Oliveira RAD, Albuquerque MV. Desigualdades da oferta hospitalar no contexto da pandemia da COVID-19 no Brasil: uma revisão integrativa. Saúde debate 2022; 46 (spe1): p. 322-37. Disponível em https://doi.org/10.1590/0103-11042022E122 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042022e122

Freitas ARR, Medeiros NM, Frutuoso LCV, Beckerdorff AO, Martin LMA, Coelho MMM, Freitas GGS et al. Tracking excess deaths associated with the COVID-19 epidemic as an epidemiological surveillance estratego - preliminar results of the evaluation of six Brazilian capitals. Rev Soc Bras Med Trop 2020; 53: e20200558. Disponível em https://doi.org/10.1590/0037-8682-0558-2020 DOI: https://doi.org/10.1590/0037-8682-0558-2020

Ranzani OT, Bastos LSL, Gelli JGM, Marchesi JF, Baião F, Hamacher S, Bozza FA. Characterisation of the first 25000 hospital admissions for COVID-19 in Brazil: a retrospective analysis of nationwide data. Lancet Respir Med 2021; 9(4): p. 407-18. Disponível em DOI: https://doi.org/10.1016/S2213-2600(20)30560-9

https://doi.org/10.1016/

Bastos LSL, Ranzani OT, Souza TM, Hamacher S, Bozza FA. Covid-19 hospital admissions: Brazil’s first and second waves compared. Lancet Respir Med 2021; 9(8): e82. Disponível em https://doi.org/10.1016/S2213-2600(21)00287-3 DOI: https://doi.org/10.1016/S2213-2600(21)00287-3

Zimmermann IR, Sanchez MN, Alves LC, Frio GS, Cavalcante FV, Cortez-Escalante JJ, Silva EM et al. Covid-19 as the Leading cause of hospitals deaths in the Brazilian public health system in 2020. Int J Infect Dis 2021; 113: p. 162-65. Disponível em https://doi.org/10.1016/j.ijid.2021.09.077 DOI: https://doi.org/10.1016/j.ijid.2021.09.077

Brizzi A, Whitaker C, Servo LMS, Hawryluk I, Prete-Jr CA, Souza WM, Aguiar RS et al. Spatial and temporal fluctuations in COVID-19 fatality rates in Brazilian hospitals. Nat Med 2022; 28: p. 1476-85. Disponível em https://doi.org/10.1038/s41591-022-01807-1 DOI: https://doi.org/10.1038/s41591-022-01807-1

Marinelli NP, Albuquerque LPA, Sousa IDB, Batista FMA, Mascarenhas MDM, Rodrigues MTP. Evolution of indicators and service capacity at the beginning of the COVID-19 epidemic in Northeast Brazil, 2020. Epidemiol Serv Saude 2020; 29(3): e2020226. Disponível em https://doi.org/10.5123/S1679-49742020000300008 DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742020000300008

Orellana JDY, Cunha GM, Marrero L, Horta BL, Leite IC. Explosion in mortality in the Amazonian epicenter of the COVID-19 epidemic. Cad Saude Publica 2020; 36(7): e00120020. Disponível em https://doi.org/10.1590/0102-311X00120020 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00120020

Perondi B, Miethke-Morais A, Montal AC, Harima L, Segurado AC, for the Hospital das Clinicas COVID-19 Crisis Management Committee. Setting up hospital care provision to patients with COVID-19: lessons learnt at a 2400-bed academic tertiary center in São Paulo, Brazil. Braz J Infec Dis 2020; 24(6): p. 570-74. Disponível em https://doi.org/10.1016/j.bjid.2020.09.005 DOI: https://doi.org/10.1016/j.bjid.2020.09.005

Malta M, Strathdee AS, Garcia PJ. The Brazilian tragedy: where patients living at the ‘Earth’s lungs’ die of asphyxia, and the falacy of herd immunity is killing people. EClinicalMedicine 2021; 32: e100757. Disponível em http://doi.org/10.1016/j.eclinm.2021.100757 DOI: https://doi.org/10.1016/j.eclinm.2021.100757

Lorenz C, Ferreira PM, Masuda ET, Lucas PCC, Palasio RGS, Nielsen L, Monteiro PCM et al. COVID-19 no estado de São Paulo: a evolução de uma pandemia. Rev Bras Epidemiol 2021; 24: e210040. Disponível em https://doi.org/10.1590/1980-549720210040 DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720210040

Marcilio I, Lazar-Neto F, Cortez AL, Miethke-Morais A, Novaes HMD, Sousa HP, Carvalho CRR et al. Mortality over time among COVID-19 patients hospitalized during the first surge of the pandemic: a large cohort study. PloS One 2022; 17(9): e0275212. Disponível em DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0275212

https://doi.org/10.12788/jhm.3633 DOI: https://doi.org/10.12788/jhm.3633

Downloads

Publicado

12-09-2023

Como Citar

1.
Fregonesi Rodrigues da Silva M, da Costa MARQUES MC. O enfrentamento da pandemia do SARS-CoV 2 no Brasil e o impacto das ações do SUS na atenção terciária à saúde. J Manag Prim Health Care [Internet]. 12º de setembro de 2023 [citado 29º de fevereiro de 2024];15(spec):e013. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1310