Atenção Primária à Saúde

desvelando os bastidores políticos e o seu lugar na pandemia de covid-19

  • Juliana Pereira da Silva Faquim Universidade Federal de Uberlândia
  • Lucia Dias da Silva Guerra Centro Universtário Anhanguera
  • Leonardo Carnut Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
  • Celso Zilbovicius Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Pandemias, Infecções por Coronavirus, Política Pública, Editorial

Resumo

Com a descoberta do novo agente do coronavírus em dezembro de 2019 na China, denominado SARS-CoV-2, a Covid-19 disseminou-se em inúmeros países e levou a Organização Mundial da Saúde – OMS a declarar a doença como uma pandemia. Assim, a Atenção Primária à Saúde – APS no Brasil, compreendida para além da porta de entrada dos usuários nos sistemas de saúde, representa um modelo assistencial de reorientação e organização de um sistema de saúde integrado com garantia de atenção que tem, nesse momento, um papel importante no enfrentamento da pandemia. A crise vivenciada pelo Brasil não é apenas sanitária, mas política, social e econômica, com a piora nas condições de vida da população, sobretudo, dos mais vulneráveis. Então, o esforço não é apenas para conter uma cadeia de transmissão do vírus e seus desdobramentos, mas deve ser também no campo econômico e social visando o fortalecimento de políticas públicas voltadas para o investimento em saúde pública, proteção da vida, redução das desigualdades sociais e reconstrução das bases éticas de convivência em tempos de necessária solidariedade social. É importante, assim, discutir o lugar da Atenção Primária à Saúde na pandemia tendo como referência os bastidores políticos e considerando que esta tem potencial capacidade de redução das iniquidades em saúde e deve, portanto, ser fortalecida e estruturada. Temáticas como financiamento do Sistema Único de Saúde – SUS, flexibilização das leis trabalhistas, ferramentas de proteção social, valorização e investimento na ciência e tecnologia precisam ocupar o centro das discussões com o foco na APS. Para contribuir com esse debate, o objetivo desta proposta foi promover uma webconferência com o tema: “Atenção Primária à Saúde: desvelando os bastidores políticos e o seu lugar na pandemia covid-19”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Cucinotta D, Vanelli M. WHO declares COVID-19 a pandemic. Acta Biomed. 2020 Mar 19;91(1):157-60. doi: https://doi.org/10.23750/abm.v91i1.9397.

Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI, organizadores. Políticas e sistema de saúde no Brasil. 2a ed. rev., ampl. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz; 2012. Atenção Primária à Saúde, p. 493-545.

Mendes A. A atenção básica no sus e as pedras no seu caminho. J Manag Prim Health Care. 2018;9:e2. https://doi.org/10.14295/jmphc.v9i0.709.

Mendes A, Carnut L, Guerra LDS. Reflexões acerca do financiamento federal da atenção básica no sistema único de saúde. Saude Debate. 2019;42(n.spe1):224-43. https://doi.org/10.1590/0103-11042018s115.

Escorel S, Arouca LE. Democracia e participação: para além das dicotomias. Saude Debate. 2016;40(n.spe):39-48. https://doi.org/10.1590/0103-11042016s04.

Pinto EG. Novo regime fiscal e a constitucionalização do contingenciamento das despesas primárias obrigatórias. Physis. 2016;26(4):1097-101. https://doi.org/10.1590/s0103-73312016000400002.

Dallari SG. A construção do direito à saúde no Brasil. Rev Dir Sanit. 2008;9(3):9-34. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9044.v9i3p9-34.

Mann JM. Health and human rigths: if not now, when? 1997. Am J Public Health. 2006;96(11):1940-3. https://doi.org/10.11606/10.2105/ajph.96.11.1940.

Paim JS, Travassos C, Almeida C, Bahia L, Macinko J. The Brazilian health system: history, advances, and challenges. Lancet. 2011;377(9779):1778-97. https://doi.org/10.11606/10.1016/S0140-6736(11)60054-8.

Dunlop C, Howe A, Li D, Allen LN. The coronavirus outbreak: the central role of primary care in emergency preparedness and response. BJGP Open. 2020 May 1;4(1): bjgpopen20X101041. https://doi.org/10.3399/bjgpopen20X101041

World Health Organization. Primary health care and health emergencies [Internet]. Geneva: World Health Organization. 2018 [acesso 20 jun. 2020]. Disponível em: https://www.who.int/docs/default-source/ primary-health-care-conference/emergencies. pdf?sfvrsn=687d4d8d_2

Mendes A, Carnut L. Neofascismo, estado e a crise do capital: o Brasil de Bolsonaro e a demolição do direito à saúde. 25. Encontro Nacional de Economia Política [Internet]. 2020 jun. [acesso 20 jun. 2020]. Disponível em: https://enep.sep.org.br/uploads/717_1583791189_Artigo_SEP_com_autoria_pdf_ide.pdf

Nunes J. A pandemia de COVID-19: securitização, crise neoliberal e a vulnerabilização global. Cad Saude Publica. 2020;36(5):e00063120. https://doi.org/10.1590/0102-311x00063120. Epub May 08, 2020.

Bobbio N. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus; 1992.

Comparato FK. A afirmação histórica dos direitos humanos. 4a ed. São Paulo: Saraiva; 2005.

Aith FMA. Curso de direito sanitário: a proteção do direito à saúde no Brasil. São Paulo: Quartier Latin, 2007. 406 p.

Sáliche L. Cómo están pensando los filósofos la crisis global que provocó el coronavirus. Infobae [Internet]. 2020 Mar. 28 [acesso 20 jun. 2020]. Disponível em: https://www.infobae.com/america/cultura-america/2020/03/28/como-estan-pensando-los-filosofos-la-crisis-global-que-provoco-el-coronavirus/?fbclid=IwAR1bw6kjbbbnkZlrlfBpzM6U5qtG8nKS7TmrNjuJG3duI4qJ4UZV0auX3WU

Amorim F. Entre o individualismo e a solidariedade: um novo mundo em disputa: há oportunidades abertas com a crise. Rev Movimento [Internet]. 2020 abr. 15 [acessos 20 jun. 2020]. Disponível em: https://movimentorevista.com.br/2020/04/entre-o-individualismo-e-a-solidariedade-um-novo-mundo-em-disputa/?fbclid=IwAR2SZHRqdm0CiUptI_xY6uyiLW4R4jEISRsenWd3IxA2VkeqKnXpxBjZa00

Raiol A. Pandemia e necropolítica do racismo institucional: a raça, o gênero, a classe. Esquerda Online [Internet]. 2020 abr. 16 [acesso 20 jun. 2020]. Disponível em: https://esquerdaonline.com.br/2020/04/16/pandemia-e-necropolitica-do-racismo-institucional-a-raca-o-genero-a-classe/?fbclid=IwAR3rGggqUIoo5BzdaZnRXj8WOi6nV-h6W0mv9D0i6l-A3bzi4J7qHUmZynQ

Carnut L. Neofascismo como objeto de estudo: contribuições e caminhos para elucidar este fenômeno. Semina. 2020;41(1):81-108. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2020v41n1p81

Boschetti IS. Limitações do estado social capitalista contemporâneo: expropriações, acumulação, exploração e violência. J Manag Prim Health Care. 2020;12:e14. https://doi.org/10.14295/jmphc.v12.980.

Bonnet A, Huwiler LA. Estado e políticas públicas sob uma perspectiva crítica. J Manag Prim Health Care. 2020;12:e13. https://doi.org/10.14295/jmphc.v12.981.

Publicado
18-02-2021
Como Citar
1.
Faquim JP da S, Guerra LD da S, Carnut L, Zilbovicius C. Atenção Primária à Saúde: desvelando os bastidores políticos e o seu lugar na pandemia de covid-19. J Manag Prim Health Care [Internet]. 18º de fevereiro de 2021 [citado 19º de abril de 2021];12:1-. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1107