Caracterização dos óbitos por malformações congênitas no sistema nervoso entre 2000 e 2017 no Brasil

  • Mateus Sousa Cavacante Universidade Federal do Ceará - UFC, Sobral, CE, Brasil
  • Gláucia Galindo Silva Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Pinheiro, MA, Brasil
  • Érica Santos Rocha Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Pinheiro, MA, Brasil
  • Jardel Barbosa da Silva Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Pinheiro, MA, Brasil
  • Thayná Rocha Coimbra Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Pinheiro, MA, Brasil
  • Allan Cristhyan Alves Carvalho Universidade Federal do Ceará - UFC, Sobral, CE, Brasil
  • Bruno Luciano Carneiro Alves de Oliveira Universidade Federal do Maranhão - UFMA, São Luís, MA, Brasil
Palavras-chave: Anormalidades Congênitas, Sistema Nervoso, Epidemiologia

Resumo

No Brasil, distúrbios genéticos são a segunda maior causa de mortalidade infantil, e os defeitos do sistema nervoso (SN) correspondem a 18,8% deles. Este estudo buscou caracterizar os óbitos por Malformações Congênitas no Sistema Nervoso – MCSN entre 2000 e 2017 no Brasil. Trata-se de estudo transversal com dados de óbitos por MCSN de 2000 a 2017. Foram analisadas as variáveis idade, sexo e cor/raça do óbito da criança, e a idade, escolaridade e tipo de parto da mãe, região do país, e quais as principais malformações. Diferenças estatísticas foram verificadas por meio do teste de Qui-quadrado de Pearson e consideradas significantes quando o p-valor <0,05. No período avaliado, foram registrados 29.641 óbitos por MCSN e o número de casos vem reduzindo. A hidrocefalia foi a causa mais frequente, seguida da microcefalia. Óbitos relacionados à microcefalia tiveram pico súbito de crescimento durante o período de epidemia do Zika. A maioria dos casos de óbitos por microcefalia nos anos analisados (86,0%) foram em crianças menores de um ano de idade. As variáveis sociodemográficas: sexo, raça e região demonstraram-se estatisticamente significantes (p-valor<0,05). A região Sudeste apresentou maior proporção (34,8%), seguido do Nordeste (30,4%). A maioria dos óbitos foi em meninas (52,1%), brancos (56,0%) e nasceram de parto cesáreo (64,1%). Predominaram casos em mães na faixa etária de 19 a 35 anos (74,6%), seguido de mães mais jovens (19 anos = 17,1%). Também houve predominância de casos quando a mãe possuía escolaridade de 4 a 11 anos (72,1%). Observou-se que ainda há grande ocorrência de óbitos por MCSN e estes ainda são maiores que outros países. Esses dados podem refletir a baixa adesão ao pré-natal e cuidados gestacionais, assim como geram questões importantes sobre ao desenvolvimento infanto-juvenil no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Organização Pan-Americana de Saúde. Prevenção e controle de enfermidades genéticas e os defeitos congênitos: relatório de um grupo de consulta. Washington, DC: OPAS; 1984.

Campos DA, Peixoto MSRM, Medeiros BGS, Lucena VS. Fatores genéticos: prevalência de mortalidade neonatal e anomalias congênitas. J Biol Pharm Agric Manag. 2017;13(2):1-10.

Mendes IC, Jesuino RSA, Pinheiro DDS, Rebelo ACS. Anomalias congênitas e suas principais causas evitáveis: uma revisão. Rev Med Minas Gerais. 2018;28:e-1977. http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20180011.

Barros ML, Fernandes DA, Melo EVD, Porto RLS, Maia MCA, Godinho AS, et al. Malformações do sistema nervoso central e malformações associadas diagnosticadas pela ultrassonografia obstétrica. Radiol Bras. 2012;45(6):309-14.

Marcdante KJ, Kliegman RM. Nelson: Princípios de pediatria. 7a ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2017.

Campos Júnior D, Burns DAR, Lopez FA, organizadores. Tratado de pediatria. 4a ed. [São Paulo]: Ed. Manole; 2017. 2 vol.

Pereira-Mata R, Franco A, Gago C, Pacheco A. Prenatal diagnosis of neural tube defects. Acta Obstet Ginecol Port. 2018;12(2):134-44.

Albuquerque MFPM, Souza WV, Araújo TVB, Braga MC, Miranda Filho DB, Ximenes RAA, et al. Epidemia de microcefalia e vírus Zika: a construção do conhecimento em epidemiologia. Cad Saude Publica. 2018;34(10):e00069018. https://doi.org/10.1590/0102-311X00069018.

Brasil. Resolução n. 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Brasília, DF: Diário Oficial [da] União; 2016 maio 24 [citado 2020 jun. 20]. Disponível em: http://bit.ly/2fmnKeD.

Tabnet: banco de dados do Sistema Único de Saúde [Internet]. [Brasília, DF]: Ministério da Saúde; [c2020 citado 1 mar 2020]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nvuf.def.

Verma M, Chhatwal J, Singh D. Congenital malformations: a retrospective study of 10,000 cases. Indian J Pediatr. 1991;58(2):245-52. https://doi.org/10.1007/BF02751129.

Nazer J, Cifuentes L, Rodríguez M, Rojas M. Malformaciones del sistema nervioso central en el Hospital Clínico de la Universidad de Chile y maternidades chilenas participantes en el Estudio Colaborativo Latinoamericano de Malformaciones Congénitas (ECLAMC). Rev Med Chile. 2001;129(10):1163-70. http://dx.doi.org/10.4067/S0034-98872001001000008.

Melo WAD, Zurita RCM, Uchimura TT, Marcon SS. Anomalias congênitas: fatores associados à idade materna em município sul brasileiro, 2000 a 2007. Rev Eletr Enferm. 2010;12(1). http://dx.doi.org/10.5216/ree.v12i1.5994.

Senesi LG, Tristão EG, Andrade RP, Krajden ML, Oliveira Junior FC, Nascimento DJ. Morbidade e mortalidade neonatais relacionadas à idade materna igual ou superior a 35 anos, segundo a paridade. Rev.Bras Ginecol Obstet. 2004;26(6):477-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032004000600009.

Magalhães MLC, Furtado FM, Nogueira MB. Gestação na adolescência precoce e tardia: há diferença nos riscos obstétricos? Rev Bras Ginecol Obstet. 2006;28(8):446-52. https://doi.org/10.1590/S0100-72032006000800002.

Souza ASR, Amorim MMR, Porto AMF. Condições frequentemente associadas com cesariana, sem respaldo científico. Femina. 2010;38(10):505-16.

Penn Z, Ghaem-Maghami S. Indications for caesarean section. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol. 2001;15(1):1-15. https://doi.org/10.1053/beog.2000.0146.

Blog da Saúde (BR). Ministério da Saúde e ANS publicam regras para estimular parto normal na saúde suplementar [Internet]. [Brasília, DF]: MS; 2015 jan. 6 [citado 2015 fev. 15]. Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/c1v7l4.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores sociodemográficos e de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2009.

Dal Fabbro, M. Estudo da evolução e prognostico comparativos de neonatos com hidrocefalia congênita isolada ou associada a defeitos do fechamento do tubo neural [dissertação]. [Campinas]: Universidade Estadual de Campinas; 2008.

Ministério da Saúde (BR). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília, DF: MS; 2012. (Cadernos de atenção básica).

Nunes JT, Gomes KRO, Rodrigues MTP, Mascarenhas MDM. Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cad Saude Colet. 2016;24(2):252-61. https://doi.org/10.1590/1414-462X201600020171.

Nunes ADS, Amador AE, Dantas APQ, Azevedo UN, Barbosa IR. Acesso à assistência pré-natal no Brasil: análise dos dados da Pesquisa Nacional de Saúde. Rev Bras Promocao Saude. 2017;30(3):1-10. https://doi.org/10.5020/18061230.2017.6158.

Nunes ML, Carlini CR, Marinowic D, Neto FK, Fiori HH, Scotta MC, et al. Microcefalia e vírus Zika: um olhar clínico e epidemiológico do surto em vigênciano Brasil. J Pediatr. 2016;92(3):230-40. http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2016.02.009.

Garcia LP. Epidemia do vírus Zika e microcefalia no Brasil: emergência, evolução e enfrentamento. Brasília, DF: IPEA; 2018. (Texto para discussão).

Publicado
16-11-2020
Como Citar
1.
Sousa Cavacante M, Galindo Silva G, Santos Rocha Érica, Barbosa da Silva J, Rocha Coimbra T, Cristhyan Alves Carvalho A, Luciano Carneiro Alves de Oliveira B. Caracterização dos óbitos por malformações congênitas no sistema nervoso entre 2000 e 2017 no Brasil. J Manag Prim Health Care [Internet]. 16º de novembro de 2020 [citado 4º de dezembro de 2020];12:1-17. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/988
Seção
Artigos Originais