Retorno dos investimentos de Inovação em Saúde e Tecnologia

uma revisão integrativa da literatura

  • Itamires benicio dos santos universidade de são paulo faculdade de saúde pública
  • Brunna verna castro gondinho UNIVERSIDADE DE CAMPINAS
  • jaqueline vilela bulgareli UNIVERSIDADE DE CAMPINAS
  • luciane miranda guerra UNIVERSIDADE DE CAMPINAS
Palavras-chave: Políticas e Cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação, Inovação, Tecnologia, Investimentos em Saúde

Resumo

O aumento progressivo do investimento em saúde visa a melhoria na qualidade de vida da população e possui uma dinâmica que envolve grande valor socioeconômico. O número de novas tecnologias lançadas no mercado é crescente, porém tem seu ciclo de vida curto.  A elevação dos custos em saúde representa, portanto, um desafio para as fontes pagadoras governamentais e privadas. Assim, este estudo teve por objetivo verificar o que há na literatura sobre o retorno dos investimentos e as perspectivas de desenvolvimento de pesquisa, inovação em saúde e tecnologia, bem como entender como este retorno é avaliado. Realizou-se uma revisão integrativa da literatura presente na base de dados Literatura Latino- Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Medical Literature Analysis and Retrieval System on-line (MEDLINE), a partir da seguinte estratégia de busca: ((tw:(investimentos)) AND (tw:(tecnologia)) AND (tw:(inovacao em saude)). Forma inicialmente encontrados 116 artigos e ao final do processo de busca e aplicação dos critérios de inclusão e exclusão ficaram 17 artigos. Dos quais, a maioria utiliza os documentos governamentais como população e quanto aos aspectos metodológicos incluem desde pesquisa qualitativa até revisão da literatura. A partir da leitura do material disponível foram estabelecidas 2 linhas de discussões: (A) Destinação de recursos para inovação em saúde e (B) Formas de avaliação do retorno dos investimentos. As leis governamentais voltadas ao incentivo em desenvolvimento de tecnologias portadoras de futuro estão sob uma lógica mercantil. Pois beneficiam indústrias do setor médico hospitalar, enquanto a saúde pública vem sendo subfinanciada. O gestor possui caráter de grande importância mediante a tomada de decisão para alocação efetiva de recursos disponíveis. Mecanismos avaliativos foram desenvolvidos a fim de subsidiar a tomada de decisão e orientar os investimentos da iniciativa privada, baseados na perspectiva do capitalismo financeirizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Itamires benicio dos santos, universidade de são paulo faculdade de saúde pública

Especialista em Economia e Gestão em Saúde pela Universidade de São Paulo (USP)

Brunna verna castro gondinho, UNIVERSIDADE DE CAMPINAS

Doutoranda em Odontologia – Saúde Coletiva – FOP/UNICAMP

jaqueline vilela bulgareli, UNIVERSIDADE DE CAMPINAS

Doutoranda em Odontologia – Saúde Coletiva – FOP/UNICAMP

luciane miranda guerra, UNIVERSIDADE DE CAMPINAS

Doutora em Odontologia – Saúde Coletiva – FOP/UNICAMP

Referências

Kruklitis R, French K, Cangelosi MJ, Kovitz KL. Investing in New Technology in Pulmonary Medicine: Navigating the Tortuous Path to Success. Chest. 2017;152(3):663-67. http://dx.doi.org/10.1016/j.chest.2017.06.014.

Ministério da Saúde (BR). Estratégia Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação, Brasília, DF; 2016-2019 [Acesso em Jan 2020]. Disponível em: http://www.propesq.unir.br/uploads/76767676/arquivos/Estrat_gia_Nacional_de_Ci_ncia__Tecnologia_e_Inova__o_2016_2019_1248378469.pdf

Gadelha CAG, Braga PSC. Health and innovation: economic dynamics and Welfare State in Brazil.Cad Saude Publica. 2016;32(Suppl 2):e00150115. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00150115.

Rocha CEAL, Schneider FK. Technological development and production of health supplies: challenges for the Unified Health System (SUS). Biosci J. 2018;34(5):1402-13. https://doi.org/10.14393/BJ-v34n5a2018-41808.

Costa LS, Gadelha CAG, Maldonado J. [Health care innovation from a territorial perspective: a call for a new approach]. Rev Saude Publica. 2012;46(Suppl1):59-67. http://dx.doi.org/10.1590/s0034-89102012005000066.

Pereira SA. [Industrial Health Economic Complex: the legal repercussions of the incentives for technological development provided for in Law nº 13.243/2016]. Cad Ibero Am Dir Sanit 2018;7(1):96-110. http://dx.doi.org/10.17566/ciads.v7i1.436.

Zanghelini F, Andrade CAS. Effectiveness evaluation of public policy incentive R&D in technological innovation in Brazil: a focus on law of the well. Rev Cienc Farm Basica Apl. 2015;36(3):349-58.

Rodríguez-Fernández, Jorge M. Scientific financial funding in Colombia from 2000 to 2012. Univ Sci. 2013;18(3):311-20. http://dx.doi.org/10.11144/Javeriana.SC18-3. sffc.

Mendes A, Carnut L. Capitalismo contemporâneo em crise e sua forma política: o subfinanciamento e o gerencialismo na saúde pública brasileira. Saude Soc. 2018;27(4):1105-19. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902018180365.

Marques RM, Piola SF, Carrillo Roa A, organizadores. Sistema de saúde no Brasil: organização e financiamento. Rio de Janeiro: ABrES; 2016.

Tigre PB, Nascimento CVMF, Costa LS. Windows of opportunities and technological innovation in the Brazilian pharmaceutical industry. Cad Saude Publica. 2016;32(Suppl2):e00103315. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00103315.

Bohnet-Joschko S, Kientzler F. [Medical doctors driving technological innovation: questions about and innovation management approaches to incentive structures for lead users]. Z Evid Fortbild Qual Gesundhwes. 2010;104(10):721-6. http://dx.doi.org/10.1016/j.zefq.2010.09.039.

Pires MRGM, Demo P. Políticas de saúde e crise do Estado de Bem-Estar: repercussões e possibilidades para o Sistema Único de Saúde. Saude Soc. 2006;15(2):56-71. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902006000200007.

Ministério da Saúde (BR). Estratégia Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação, Brasília, DF; 2016-2022 [acesso em Jan 2020]. Disponível em: http://www.finep.gov.br/images/a-finep/Politica/16_03_2018_Estrategia_Nacional_de_Ciencia_Tecnologia_e_Inovacao_2016_2022.pdf.

Ministério da Saúde (BR). 2ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde: Brasília, 25 a 28 de julho de 2004. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2004 [acesso em 10 nov 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/2CNCTISfinal.pdf.

Schonfeld C. La evaluación de tecnologías en salud como herramienta para la mejora de la gestión del laboratorio. Acta Bioquim Clin Latinoam. 2013;47(1):121-43.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo). 2010;8(1):102-6. http://dx.doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134.

Bireme. Descritores em Ciências da Saúde: DeCS [Internet]. São Paulo: BIREME/OPAS/OMS; 2017 [citado 21 01 2020]. Disponível em: http://decs.bvsalud.org.

Buss PM, Ferreira JR, Hoirisch C. Health and development in BRICS countries. Saude Soc. 2014;23(2):390-403. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000200004.

Viana ALD, Silva HP. Avaliando a difusão de tecnologias médicas no sistema de saúde privado no Brasil: o caso da tomografia por emissão de pósitrons (PET). Rev Bras Saude Matern Infant. 2010;10(Suppl 1):s187-s200. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292010000500016.

Santos FLA, Lyra MAM, Alves, LDS, et al. Pesquisa, desenvolvimento e inovação para o controle das doenças negligenciadas. Cienc Farm Basica Apl. 2012;33(1):37-47.

Parenteau N, Hardin-Young J, Shannon W, et al. Meeting the Need for Regenerative Therapies I: Target-Based Incidence and Its Relationship to U.S. Spending, Productivity, and Innovation. Tissue Eng Part B Rev. 2012 Apr;18(2):139-54. http://dx.doi.org/10.1089/ten.TEB.2011.0454.

Jena AB, Philipson TJ. Cost-effectiveness analysis and innovation. J Health Econ. 2008;27(5):1224-36. http://dx.doi.org/10.1016/j.jhealeco.2008.05.010.

Soleimani F, Zenios S. Disrupting incrementalism in health care innovation. Ann Surg. 2011;254(2):203-8. http://dx.doi.org/10.1097/SLA.0b013e3182251538.

Caous CA, Machado B, Hors C, et al. Retorno sobre o Investimento Científico - RoSI: uma proposta de índice dinâmico PMO para avaliação de desempenho e gestão de projetos científicos. Einstein (São Paulo);2012;10(2):222-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1679-45082012000200017.

Trindade EM, Zamberlan AGON, Setsuko TT, et al. Rede Paulista de Avaliação de Tecnologias de Saúde: primeiros passos. BIS - Bol Inst Saude. 2013;14(2):151-8.

Viana, ALD, Elias PEM. [Healthcare and development]. Cienc Saude Colet. 2007;12(Suppl):1765-77. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000700002.

Cassiolato JE, Lastres HMM. Inovação e sistemas de inovação: relevância para a área de saúde. Rev Electron Comun Inf Inov Saude. 2007;1(1):153-62. http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v1i1.890.

Maceira D, Paraje G, Aramayo F, et al. Financiamiento público de la investigación en salud en cinco países de América Latina. Rev Panamericana de Salud Pública. 2010;27(6):442-51.

Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Monitoramento do horizonte tecnológico em saúde no âmbito da Rebrats: proposta preliminar. Brasília, DF: MS; 2011 [acesso 21 nov. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/monitoramento_horizonte_tecnologico.pdf.

Publicado
13-04-2020
Como Citar
1.
dos santos I benicio, castro gondinho B verna, bulgareli jaqueline vilela, guerra luciane miranda. Retorno dos investimentos de Inovação em Saúde e Tecnologia: uma revisão integrativa da literatura. J Manag Prim Health Care [Internet]. 13º de abril de 2020 [citado 9º de julho de 2020];12:1-15. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/960
Seção
Revisão da Literatura