Participação social no contexto da Atenção Primária à Saúde

é possível aferir sua efetividade?

  • Ana Maria Caldeira Oliveira Mestre e Doutora em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo – FSP/USP. Fiscal Sanitário da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, MG , Brasil
  • Sueli Gandolfi Dallari Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Participação Social, Atenção Primária à Saúde, Democracia

Resumo

As Comissões Locais de Saúde - CLS, em cada Unidade Básica de Saúde – UBS, constituem-se espaços participativos do Sistema Único de Saúde de Belo Horizonte –SUS/BH, mais próximos da população. O objetivo do artigo é analisar o impacto da prática participativa exercida pelas CLS na dinâmica de funcionamento das UBS. Foram entrevistados 21 Conselheiros Locais de Saúde utilizando-se a técnica de entrevistas baseada em roteiro semiestruturado, sendo os dados analisados pela técnica do Discurso do Sujeito Coletivo. Verificou-se nos discursos dos usuários o reconhecimento das melhorias advindas das CLS. Os trabalhadores não reconhecem as melhorias resultantes das CLS. Já os gestores, através de uma participação compulsória percebem a importância desse fórum para os usuários. Conclui-se que a prática participativa exercida pelas CLS impacta positivamente a vida da UBS, pois através do exercício da cidadania e do fomento de uma cultura política democrática tem-se a possibilidade de formar cidadãos mais informados e conscientes, em busca do direito a ter direitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sueli Gandolfi Dallari, Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo

Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Livre Docente. Professora Titular do Departamento de Política, Gestão e Saúde. Av. Dr. Arnaldo 715. CEP 01.246-904. São Paulo, SP. Brasil. E-mail: sdallari@usp.br

Referências

Organização Pan-Americana da Saúde. Declaração de Alma-Ata. Washington, DC: OPAS; 1978 [citado em 2018 dez 4]. Disponível em: http://www.opas.org.br/promocao/uploadArq/Alma-Ata.pdf

Pinto LF, Giovanella L. Do Programa à Estratégia Saúde da Família: expansão do acesso e redução das internações por condições sensíveis à atenção básica (ICSAB). Cien Saude Colet. 2018;23(6):1903-14. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018236.05592018.

Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte. Sistema Único de Saúde: relatório de Gestão 2016. Belo Horizonte; 2017 [citado em 2018 dez 8]. Disponível em: https://prefeitura.pbh.gov.br/sites/default/files/estruturagoverno/saude/2018/documentos/planejamento/RAG-2016.pdf

Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte. Regimento Interno Unificado das Comissões Locais de Saúde. Belo Horizonte: PMBH; 2014 [citado em 2018 dez 12]. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1O6H1vL6AxOPqIFJCRmb_MjpqGt6dhXtg/view.

Oliveira AMC, Dallari SG. Conferências Locais de Saúde de Belo Horizonte: dinâmica, efetividade e contribuições para o Plano Municipal de Saúde. Saude Debate. 2016;40(111):22-33. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201611102.

Escorel S, Arouca LE. Democracia e participação: para além das dicotomias. Saude Debate. 2016;40(Spe):39-48. http://dx.doi.org/10.1590/0103-11042016s04.

Serapioni M, Matos AR. Participação em Saúde: entre limites e desafios, rumos e estratégias. Rev Port Saude Publica. 2013;31(1):11-21. https://doi.org/10.1016/j.rpsp.2012.12.008.

Avritzer L. A qualidade da democracia e a questão da efetividade da participação: mapeando o debate. In: Pires RRC, organizador. Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília, DF: IPEA; 2011. p. 13-24.

Habermas J. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; 1989.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4a ed. Porto Alegre: Bookman; 2010.

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa: desdobramentos. Caxias do Sul: EDUCS; 2003.

Cecilio LCO, Reis AAC. Atenção básica como eixo estruturante do SUS: quando nossos consensos já não bastam!. Cad Saude Publica. 2018;34(8):1-3. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00136718.

. Bahia L. Participação social na saúde: “muito melhor com ela”. Saúde Debate. 2010 [citado em 2018 dez 12];34(84):33-40. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=40634177000.

Serapioni M. Os desafios da participação e da cidadania nos sistemas de saúde. Cien Saude Colet. 2014;19(12):4829-39. http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320141912.02292013.

Giovanella L, Mendonça MHM, Almeida PF, et al. Saúde da família: limites e possibilidades para uma abordagem integral de atenção primária à saúde no Brasil. Cien Saude Colet. 2009;14(3):783-94. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000300014.

Labra ME. Política Nacional de Participação na Saúde: entre a utopia democrática do controle social e a práxis predatória do clientelismo empresarial. In: Fleury S, Lobato LVC, organizadoras. Participação, democracia e saúde. Rio de Janeiro: Cebes; 2009. p. 176-203.

Habermas J. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; 1997. 2 vol.

Andrade IAL. Participação política não eleitoral ou partidária: associações, conselhos e orçamento participativo. In: Martins CB, Lessa R, coordenadores. Horizontes das ciências sociais no Brasil: ciência política. São Paulo: ANPOCS; 2010. p. 379-400.

Fedozzi LJ. Democracia participativa, lutas por igualdade e iniqüidades da participação. In: Fleury S, Lobato LVC, organizadoras. Participação, democracia e saúde. Rio de Janeiro: Cebes; 2009. p. 204-28.

Arouca ASS. O dilema preventivista: contribuição para a compreensão e crítica da Medicina Preventiva. São Paulo, Rio de Janeiro: Unesp, Fiocruz; 2003. p. 183-202.

Escorel S, Moreira MR. Desafios da participação social em saúde na nova agenda da reforma sanitária: democracia deliberativa e efetividade. In: Fleury S, Lobato LVC, organizadoras. Participação, democracia e saúde. Rio de Janeiro: Cebes; 2009. p. 229-47.

Oliveira RG, Marcon SS. Trabalhar com famílias no Programa de Saúde da Família: a prática do enfermeiro em Maringá-Paraná. Rev Esc Enferm USP. 2006;41(1):65-72. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000100009.

Organização Mundial de Saúde. The World Health Reportt 2008: atenção primária à saúde: mais necessária que nunca. Genebra: OMS; 2008 [citado em 2018 dez 8]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/rms.pdf

Tatagiba L. Os conselhos gestores e a democratização das políticas públicas no Brasil. In: Dagnino E, organizadora. Sociedade civil e espaços públicos no Brasil. São Paulo: Paz e Terra; 2002. p. 47-103.

Publicado
31-01-2020
Como Citar
1.
Oliveira AMC, Dallari SG. Participação social no contexto da Atenção Primária à Saúde: é possível aferir sua efetividade?. J Manag Prim Health Care [Internet]. 31º de janeiro de 2020 [citado 9º de julho de 2020];12:1-13. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/959
Seção
Artigos Originais