Trabalhadores de saúde como protagonistas de um processo de construção do perfil de competências

  • Mara Lúcia Renostro Zachi FACULDADES PEQUENO PRÍNCIPE
  • Elaine Rossi Ribeiro FACULDADES PEQUENO PRÍNCIPE
  • Maria Lucia da Silva SECRETARIA DE SAÚDE DE LONDRINA-PR
  • Rogério Saad Vaz FACULDADES PEQUENO PRÍNCIPE
Palavras-chave: Competência Profissional, Atenção Primária à Saúde, Educação em Saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

As crescentes mudanças gerenciais e tecnológicas, ocorridas na área da saúde, bem como as mudanças demográficas e o perfil epidemiológico, exigem dos profissionais que coordenam as Unidades de Saúde um perfil de competências mais flexível e adaptativo. O estudo teve como objetivo construir o perfil de competências dos coordenadores de Unidades de Saúde. Trata-se de uma pesquisa de caráter exploratório descritivo, com abordagem qualitativa, da qual participaram os profissionais da Secretaria de Saúde de um município do Paraná, sendo um total de vinte participantes. A coleta de dados ocorreu com a técnica de grupos focais, com a participação de cinco pessoas em cada um dos quatro grupos. Os dados foram analisados segundo a técnica de análise de conteúdo, na modalidade temática. Foram identificados os núcleos temáticos que surgiram nas discussões dos grupos, elencadas as unidades de sentido e as suas respectivas categorias.  Diante dos resultados advindos dos grupos focais, apresenta-se uma matriz de competência para a função de coordenador de Unidade de Saúde. A matriz está organizada da seguinte forma: as competências de cada núcleo temático delimitam a intenção do trabalho, determinando a atuação do coordenador e, para cada competência, é apresentado um conjunto de desempenhos. Esta descreve um leque de capacidades e habilidades, que resultam uma boa prática gerencial do coordenador de Unidades de Saúde, referenciada em critérios de excelência. As combinações de capacidades e os critérios de excelência ética, estética e científica determinam a qualidade da sua atuação. Podem ser utilizados em várias combinações e estilos singulares de gestão, produzindo resultados de sucesso, porém, sempre ancorados no perfil de competência esperado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mara Lúcia Renostro Zachi, FACULDADES PEQUENO PRÍNCIPE

Mestre em ensino nas Ciências da Saúde

Elaine Rossi Ribeiro, FACULDADES PEQUENO PRÍNCIPE

Docente pesquisadora do Programa stricto sensu Ensino nas Ciências da Saúde das Faculdades Pequeno Príncipe

Maria Lucia da Silva, SECRETARIA DE SAÚDE DE LONDRINA-PR

Diretora da 17ª Regional de Saúde do Paraná

Rogério Saad Vaz, FACULDADES PEQUENO PRÍNCIPE

Docente pesquisador do Programa stricto sensu Ensino nas Ciências da Saúde das Faculdades Pequeno Príncipe

Coordenador da Internacionalização

Referências

Alves M, Penna CMM, Brito MJM. Perfil dos gerentes de unidades básicas de saúde. Rev Bras Enferm. 2004;57(4):441-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672004000400011.

Junqueira LAP. Gerência dos Serviços de Saúde. Cad Saude Publica. 1990;6(3):247-59. https://doi.org/10.1590/S0102-311X1990000300002.

Cunha ICKO, Ximenes Neto FR. Competências gerenciais de enfermeiras: um novo velho desafio?. Texto Contexto. 2006;15(3):479-82. https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000300013.

Bitencourt CA. Gestão de competências gerenciais: a contribuição da aprendizagem organizacional [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2001.

Ruas RL, Antonello CS, Boff LH. Aprendizagem organizacional e competências. Porto Alegre: Bookman; 2005.

Carbone PP, Brandão HP, Leite JBD, Vilhena RMP. Competência e gestão do conhecimento (2a ed.). Rio de Janeiro: FGV; 2006.

Gondim SMG. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia (Ribeirão Preto). 2003;12(4):149-61. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2002000300004.

Merton RK, Kendall PL. The focused interview. Am J Sociol. 1946;51(6):541-57. https://doi.org/10.1086/219886.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Ministério da Saúde (BR). Curso de formação de facilitadores de educação permanente em saúde: unidade de aprendizagem: análise do contexto da gestão e das práticas de saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

Perrenoud P. Dez novas competências para ensinar. Ramos PC, tradutora. Porto Alegre: Artmed; 2000.

Merhy E. Os desafios postos pela atenção gerenciada para pensar uma transição tecnológica do setor saúde. São Paulo: Hucitec; 2002. Saúde: a cartografia do trabalho vivo; p. 67-92.

Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia 2a ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2004.

Morais, FRM, Jales GML, Silva MJC, Fernandes SF. A importância do PET-Saúde para a formação acadêmica do enfermeiro. Trab Educ Saude. 2012;10(3):541-51. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462012000300011.

Moscovici F. Desenvolvimento interpessoal: leitura e exercícios de treinamento em grupo. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; 1985.

Feuerwerker L. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2014. (Coleção Micropolítica do Trabalho e o Cuidado Saúde).

Publicado
13-04-2020
Como Citar
1.
Zachi MLR, Ribeiro ER, da Silva ML, Vaz RS. Trabalhadores de saúde como protagonistas de um processo de construção do perfil de competências. J Manag Prim Health Care [Internet]. 13º de abril de 2020 [citado 30º de outubro de 2020];12:1-18. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/952
Seção
Artigos Originais