Desastres naturais

contribuições para atuação do psicólogo nos desastres hidrológicos

Autores

  • Patrícia Passarini Dário
  • William Malagutti

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v10i0.503

Palavras-chave:

Desastres Naturais, Psicologia, Saúde Pública

Resumo

Os desastres ambientais são cada vez mais frequentes e causam grande impacto social, econômico e ambiental. Para que o cuidado ofertado aos expostos seja adequado e a recuperação integral, devem-se considerar as dimensões física, mental e social nas ações desenvolvidas. O presente estudo objetivou conhecer as possíveis atuações do psicólogo em situações de desastres ambientais e buscou descrever os impactos dos desastres sobre a saúde da população exposta a eles. Para tal, foi realizada uma revisão bibliográfica a partir de publicações feitas por instituições de referência e órgãos oficiais. No campo da Psicologia o debate sobre o assunto tem crescido, assim como a produção de conhecimento. Porém, ainda são escassas as publicações com orientações específicas para a atuação de psicólogos em situações de desastres ambientais. É consenso que as ações relacionadas aos desastres não devem restringir-se ao auxílio durante e após o ocorrido, sendo essenciais práticas preventivas que orientem e conscientizem a população para que sejam capazes de ajudar a minimizar o impacto dos eventos. O psicólogo em todas as etapas deve atuar para promover e proteger os direitos humanos, assim como auxiliar para que a população possa dar novo significado a experiência vivida. É necessário ampliar os debates e estruturar as pesquisas sobre o tema, para que se produzam orientações e diretrizes sólidas para uma assistência efetiva à população afetada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Tominaga LK, Santoro J, Amaral, R, organizadores. Desastres naturais: conhecer para prevenir.1a ed. São Paulo: Instituto Geológico; 2009.

Organização Panamericana de Saúde. Ministério da Saúde. Desastres naturais e saúde no Brasil. 2a ed. Brasília, DF; 2015.

Conselho Federal de Psicologia. Psicologia de emergências e desastres na América Latina: promoção de direitos e construção de estratégias de atuação. 1a ed. Brasília, DF: CFP; 2011.

Fundação Oswaldo Cruz, Centro de Conhecimento em Saúde Pública e Desastres, Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): CEPEDES/FIOCRUZ; 2016 [citado 20 out. 2016]. Disponível em: http://andromeda.ensp.fiocruz.br/desastres/.

Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres, Universidade Federal de Santa Catarina. Atlas brasileiro de desastres naturais: 1991 a 2010. Florianópolis: CEPED, UFSC; 2011. (vol. São Paulo).

Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres, Universidade Federal de Santa Catarina. Atlas brasileiro de desastres naturais: 1991 a 2012. 2a ed. rev. ampl. Florianópolis: CEPED, UFSC; 2013. (vol. São Paulo).

Noji EK. Impacto de los desastres em la salud publica. Bogota (Colombia): Organización Panamericana de la Salud; 2000. Naturaleza de los desastres: sus características generales y sus efectos em la salud publica; p. 13-9.

Malilay J. Inundaciones. In: Noji EK, editor. Impacto de los desastres em la salud publica. Bogota (Colombia): Organización Panamericana de la Salud; 2000. p. 287-302.

Organización Panamericana de La Salud. Guía práctica de salud mental em desastres. Washington, D.C.; 2006.

Ministério da Saúde (Brasil), Departamento de Atenção Básica. Recomendações para atuação das equipes de Atenção Básica em casos de desastres naturais: Informativo DAB 2012. 11 jan. 2012 [citado 16 out. 2016]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/biblioteca/informes/infodab/informativo_eletronico_n63.php.

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política nacional de atenção básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012.

Organización Panamericana de la Salud. Protección de la salud mental em situaciones de desastres y emergencias. Washington, D.C.; 2002.

Organización Panamericana de la Salud. Apoyo psicossocial em emergências humanitarias y desastres: guia para equipos de respuesta. Panamá: OPS; 2010.

Conselho Federal de Psicologia. Nota técnica sobre a atuação de psicóloga(o)s em situações de emergências e desastres, relacionadas a política de defesa civil. Brasília, DF: CFP; 2013.

Silva SFL. As revelações do desastre. In: Valencio N, organizador. Sociologia dos desastres: construção, interfaces e perspectivas no Brasil. São Carlos (SP): RiMa Editora; 2010. p. 89-100. (vol. II).

Ministério da Integração Nacional (Brasil), Secretaria Nacional de Defesa Civil. Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. Gestão de riscos e de desastres: contribuições da psicologia. Florianópolis (SC): CEPED; 2010.

Downloads

Publicado

18-09-2019

Como Citar

1.
Dário PP, Malagutti W. Desastres naturais: contribuições para atuação do psicólogo nos desastres hidrológicos. J Manag Prim Health Care [Internet]. 18º de setembro de 2019 [citado 29º de fevereiro de 2024];10. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/503