Tratamento diretamente observado na tuberculose

imergindo em publicações científicas

  • Amanda Nayana Costa Silva FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO MARANHÃO - FACEMA
  • José de Ribamar Ross Universidade Estadual do Maranhão
Palavras-chave: Tuberculose, Estratégia Saúde da Família, Terapia Diretamente Observada, Assistência de Enfermagem

Resumo

O tratamento supervisionado é um complexo de atividades que subsidiam o planejamento terapêutico e sua prática vem sendo cada vez mais estimada nas ações de controle da tuberculose. O estudo objetivou destacar as dificuldades no Tratamento Diretamente Observado aos pacientes com tuberculose na Estratégia Saúde da Família, identificando o perfil clínico e epidemiológico dos pacientes que abandonaram o tratamento e os fatores que influenciam a execução da estratégia supervisionada. Trata-se de uma revisão integrativa de caráter exploratório-descritivo, com abordagem quantitativa. Os resultados mostraram que os pacientes mais vulneráveis ao abandono são: gênero masculino, 20–39 anos, baixa escolaridade, etilistas e portadores de doença mental. Estudos apontam que a terapêutica é afetada pela não inclusão do cliente na tomada de decisão e o abandono ao tratamento está associado à deficiência da gestão do cuidado, onde um dos alicerces para a estratégia foi a consolidação do vínculo. A estratégia do tratamento supervisionado para a tuberculose é efetiva para reduzir o abandono da terapia, no entanto o tratamento autoadministrado ainda é frequente nas unidades de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Santos TMMG, Nogueira LT, Santos LNM, Costa CM. O acesso ao diagnóstico e ao tratamento de tuberculose em uma capital do nordeste brasileiro. Rev Enferm UERJ [Internet]. 2012 jul-set [citado 2016 mar 19];20(3):300-5. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v20n3/v20n3a03.pdf.

World Health Organization. Global tuberculosis control: epidemiology, strategy, financing. 2014 [citado 2015 dez 1]. Disponível em: http//www.who.int/tb/publications/global_report/gtbr14_main_text.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS – DATASUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: <http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02>. Acesso em: 19 mar 2016.

Ministério da Saúde (BR). O controle da tuberculose no Brasil: avanços, inovações e desafios. Bol Epidemiol. 2014[citado 2016 mar 19];44(2). Disponível em: http://www.funed.mg.gov.br/wp-content/uploads/2014/06/Boletim_Tuberculose_PNCT_2014.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília, DF: MS; 2011 [citado 2015 set 15]. (Série A – normas e manuais técnicos). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_recomendacoes_controle_tuberculose_brasil.pdf

Marquieviz J, Alves IS, Neves EB, Ulbricht L. A estratégia de saúde da família no controle da tuberculose em Curitiba (PR). Cien Saude Colet. 2013;18(1):265-71. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000100027.

Barrêto AJR, Sá LD, Nogueira JA, Palha PF, Pinheiro PGOD, Farias NMP, et al. Organização dos serviços de saúde e a gestão do cuidado à tuberculose. Cien Saude Colet. 2012;17(7):1875-84. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000700027.

Nogueira JA, Oliveira LCS, Sá LD, Silva CA, Silva, DM, Villa TCS. Vínculo e acesso na estratégia saúde da família: percepção de usuários com tuberculose. Rev Rene [Internet]. 2012 [citado 2016 abr 26];13(4):784-93. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/1073/pdf.

Oliveira LGD, Natal S, Chrispim PPM. Tratamento diretamente supervisionado: estratégia para o controle da tuberculose. Rev APS [Internet]. 2010 Jul-Set [citado 2016 abr 26];13(3):357-64. Disponível em: http://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/view/612/348.

Silva PF, Moura GS, Caldas AJM. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose pulmonar no Maranhão, Brasil, no período de 2001 a 2010. Cad Saude Publica. 2014;30(8):1745-54. https://doi.org/10.1590/0102-311X00124513.

Heck MA, Costa JSD, Nunes MF. Prevalência de abandono do tratamento da tuberculose e fatores associados no município de Sapucaia do Sul, Brasil, 2000-2008. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(3):478-85. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2011000300012.

Costa SM, Sassi RAM, Teixeira TP, Leivas VA, Vaz MRC. Conhecimento dos clientes com tuberculose pulmonar e seus familiares sobre adesão ao tratamento e fatores associados, no município do Rio Grande (RS). Cien Saude Colet. 2011;16(Supl. 1):1427-35. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000700078.

Freitas Filho JPA, Mattia AL, Santos LO, Piva LT, Silva PS. Análise do tratamento diretamente observado para tuberculose, no município de Cubatão, São Paulo, Brasil. Rev Enferm Cent O Min. 2011;1(2):190-200. http://dx.doi.org/10.19175/recom.v0i0.66.

Assis EG, Beraldo AA, Monroe AA, Scatena LM, Gonzales RIC, Palha PF, et al. A coordenação da assistência no controle da tuberculose. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(1):111-8. https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000100015.

Vieira AA, Ribeiro SA. Adesão ao tratamento da tuberculose após a instituição da estratégia de tratamento supervisionado no município de Carapicuíba, Grande São Paulo. J Bras Pneumol. 201;7(2):223-31. https://doi.org/10.1590/S1806-37132011000200013.

Publicado
01-05-2020
Como Citar
1.
Silva ANC, Ross J de R. Tratamento diretamente observado na tuberculose: imergindo em publicações científicas. J Manag Prim Health Care [Internet]. 1º de maio de 2020 [citado 2º de dezembro de 2020];12:1-11. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/303
Seção
Revisão da Literatura