Conhecimento de enfermeiros da estratégia saúde da família de uma região de saúde no estado da Paraíba (Brasil) sobre alimentação infantil

Autores

  • Andressa Názara Lucena de Melo Universidade federal do Rio grande do Norte
  • Liliane Cecília da Silva
  • Dixis Figueroa Pedraza

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v15.1297

Palavras-chave:

Conhecimentos, Atitudes e Prática em Saúde, Capacitação Profissional, Nutrição do Lactente, Nutrição da Criança, Aleitamento Materno

Resumo

O conhecimento sobre alimentação infantil da população e dos profissionais de saúde é um determinante importante das práticas de amamentação. O estudo teve como objetivo identificar o conhecimento de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família do estado da Paraíba sobre alimentação infantil e sua associação com características demográficas e profissionais. A pesquisa tem delineamento transversal, na qual foi aplicado um questionário validado, adaptado, para verificar o conhecimento dos profissionais sobre alimentação infantil, constituído por 21 perguntas. O grau de conhecimento sobre alimentação infantil foi expresso por meio de um escore de 0–21 para o qual resposta correta teve atribuída a pontuação um e incorreta a pontuação zero. O teste t foi usado para verificar diferenças na Média±Desvio Padrão do grau de conhecimento segundo perfil demográfico e profissional. O projeto teve aprovação ética. Os participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. A maioria dos enfermeiros era de idade ≤40 anos, não tinha participado de capacitação sobre alimentação infantil e não estava comprometido com a Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. O período de aleitamento materno exclusivo e o melhor substituto do leite materno na impossibilidade da amamentação se destacaram como conhecimentos positivos. Contudo, a concepção de aleitamento materno predominante e a recomendação sobre os grupos alimentares que devem estar presentes no almoço a partir dos seis meses apresentaram baixas frequências de respostas corretas. O grau de conhecimento foi de 15,0±2,95, com maior escore entre enfermeiros com idade ≤40 anos (p=0,019). Conclui-se, o conhecimento dos enfermeiros sobre alimentação infantil é adequado em relação ao aleitamento materno exclusivo, mas inadequado para o aleitamento materno predominante e a introdução alimentar recomendada a partir dos seis meses de idade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ramos AE, Ramos CV, Santos MM, Almeida CAPL, Martins MCC. Knowledge of healthcare professionals about breastfeeding and supplementary feeding. Rev Bras Enferm. 2018;71(6):2953-60. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0494. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0494

Pedraza DF, Rosa PGR. Conhecimento de enfermeiros sobre alimentação infantile. Rev Bras Promoc Saude. 2022;35:11370. https://doi.org/10.5020/18061230.2022.11370. DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2022.11370

Ahishakiye J, Bouwman L, Brouwer ID, Matsiko E, Armar-Klemesu M, Koelen M. Challenges and responses to infant and young child feeding in rural Rwanda: a qualitative study. J Health Popul Nutr. 2019;38(1):43. https://doi.org/10.1186/s41043-019-0207-z. DOI: https://doi.org/10.1186/s41043-019-0207-z

Brockveld LSM. A inserção do cirurgião-dentista na promoção do aleitamento materno e alimentação complementar saudável: da formação à prática [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2020. https://doi.org/10.11606/T.6.2020.tde-01102020-145431. DOI: https://doi.org/10.11606/T.6.2020.tde-01102020-145431

Santos FS, Mintem GC, Gigante DP. The community health worker as interlocutor in complementary feeding in Pelotas, Rio Grande do Sul, Brazil. Cien Saude Colet. 2019;24(9):3483-94. https://doi.org/10.1590/1413-81232018249.23882017. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018249.23882017

Fondo de las Naciones Unidas para la Infancia. Estado mundial de la infancia 2019: niños, alimentos y nutrición: crecer bien en un mundo en transformación [Internet]. Nueva York: UNICEF; 2019 [citado 25 jul. 2021]. Disponível em: https://www.unicef.org/media/62486/file/Estado-mundial-de-la-infancia-2019.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Guia alimentar para crianças brasileiras menores de dois anos [Internet]. Brasília, DF: MS; 2019 [citado 24 mar. 2021]. Available from: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/guia_da_crianca_2019.pdf.

Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição. Aleitamento materno: prevalência e práticas de aleitamento materno em crianças brasileiras menores de dois anos. Rio de Janeiro: UFRJ; 2021 [citado 11 ago. 2022]. Disponível em: https://enani.nutricao.ufrj.br/wp-content/uploads/2021/11/Relatorio-4_ENANI-2019_Aleitamento-Materno.pdf

Nascimento ALS, Santos Neto JLS, Rodrigues APRA, Medeiros LDS, Melo GB. Fatores que contribuem para o desmame precoce: uma revisão integrativa. Res Soc Dev. 2021;10(1):e0910111218. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11218. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11218

Epstein A, Moucheraud C, Sarma H, Rahman M, Tariqujjaman MD, Ahmed T, et al. Does health worker performance affect clients' health behaviors?: a multilevel analysis from Bangladesh. BMC Health Serv Res. 2019;19(1):516. https://doi.org/10.1186/s12913-019-4205-z. DOI: https://doi.org/10.1186/s12913-019-4205-z

Vilar-Compte M, Pérez-Escamilla R, Moncada M. Flores D. How much can Mexican healthcare providers learn about breastfeeding through a semi-virtual training?: a propensity score matching analysis. Int Breastfeed J. 2020;15(59):1-9. https://doi.org/10.1186/s13006-020-00297-6. DOI: https://doi.org/10.1186/s13006-020-00297-6

Prado NMBL, Santos AM. Promoção da saúde na Atenção Primária à Saúde: sistematização de desafios e estratégias intersetoriais. Saude Debate. 2018;42(spec 1):379-95. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S126. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s126

Moura JWS, Vasconcelos EMR, Vasconcelos CMR, Silva AA, Medeiros KS, Lemos FS, et al. Promoção da alimentação complementar saudável em menores de dois anos por enfermeiros: revisão integrative. Rev Enferm Digit Cuid Promoc Saude. 2021;1-8. http://www.doi.org/10.5935/2446-5682.20210019. DOI: https://doi.org/10.5935/2446-5682.20210019

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação. Brasília, DF: IBGE; 2020 [citado 28 abr. 2021]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/pb.html.

Secretaria Estadual de Saúde [da Paraíba]. Plano estadual de saúde [da] Paraíba: 2020/2023. João Pessoa: SES; 2020 [citado 17 maio 2021]. Disponível em: https://www.conass.org.br/wp-content/uploads/2021/04/PLANOS-ESTADUAL-DE-SAUDE-PB-2020-2023.pdf.

Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano [da Paraíba]. Plano estadual de assistência social da Paraíba: 2020-2023. João Pessoa: SEDH; 2020 [citado 18 maio 2021]. Disponível em: https://paraiba.pb.gov.br/diretas/secretaria-de-desenvolvimento-humano/arquivos/peas-2020-2023-atualizado.pdf

Ministério da Saúde (BR). Cobertura da atenção básica [na] região nordeste: PB. Brasília, DF: MS; 2020 [citado 28 abr. 2021]. Disponível em: https://egestorab.saude.gov.br/paginas/acessoPublico/relatorios/relHistoricoCoberturaAB.xhtml.

Ministério da Saúde (BR). Relatório consolidado da APS na Paraíba. Brasília, DF: MS; 2021 [citado21 jun. 2021]. Disponível em: https://sisaps.saude.gov.br/notatecnicasaps/.

Gomes CC. Construção e validação do questionário: avaliação do conhecimento dos enfermeiros atuantes na atenção primária sobre alimentação infantil [monografia]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2016 [citado 5 mar. 2021]. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/25289.

Ministério da Saúde (BR). Manual de condutas gerais do programa nacional de suplementação de vitamina A [Internet]. Brasília, DF: MS; 2013 [citado 24 mar. 2021]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_condutas_suplementacao_vitamina_a.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Programa nacional de suplementação de ferro: manual de condutas gerais [Internet]. Brasília, DF: MS; 2013 [citado 24 mar. 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_suplementacao_ferro_condutas_gerais.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar [Internet]. 2. ed. Brasília, DF: MS; 2015 [citado 24 mar. 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_aleitamento_materno_cab23.pdf.

Nunes BS, Gubert MB, Bortolini GA. As recomendações oficiais sobre amamentação e alimentação complementar são conhecidas pelos profissionais de saúde brasileiros?. Demetra. 2019;14(1): e43327. https://doi.org/10.12957/demetra.2019.43327. DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2019.43327

Diógenes MS. Conhecimento dos enfermeiros atuantes na atenção primária, Fortaleza, Ceará, acerca da alimentação infantil de crianças menores de dois anos [monografia]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2016 [citado 15 ago. 2021]. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/handle/riufc/25424.

Bonini TPL, Lino CM, Sousa MLR, Mota MJBB. Implantação e efeitos da estratégia amamenta alimenta Brasil nas unidades de saúde de Piracicaba, SP. Res Soc Dev. 2021;10(14):e91101421528. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i14.21528. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i14.21528

Pedraza DF. Estratégia saúde da família: contribuições das equipes de saúde no cuidado nutricional da criança. Cien Saude Colet. 2021;26(5):1767-80. https://doi.org/10.1590/1413-81232021265.04622021. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021265.04622021

Ministério da Saúde (BR). Relatório das oficinas da EAAB Nacional. Brasília, DF: MS; 2022 [citado 30 jul. 2022]. Disponível em: http://sisaps.saude.gov.br/eaab/Relatorios/relatorios.php.

Kavle JA, Picolo M, Buccini G, Barros I, Dillaway CH, Perez-Escamilla R. Strengthening counseling on barriers to exclusive breastfeeding through use of job aids in Nampula, Mozambique. PLoS One. 2019;14(12):e0224939. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0224939. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0224939

Rêgo C, Pereira-da-Silva L, Ferreira R. CoFI - consenso sobre fórmulas infantis: opinião de peritos portugueses sobre a sua composição e indicações. Acta Med Port. 2018;31(12):754-65. https://doi.org/10.20344/amp.10620. DOI: https://doi.org/10.20344/amp.10620

Lima APC, Nascimento DS, Martin MMF. A prática do aleitamento materno e os fatores que levam ao desmame precoce: uma revisão integrativa. J Health Biol Sci. 2018;6(2):189-96. http://doi.org/10.12662/2317-3076jhbs.v6i2.1633.p189-196.2018. DOI: https://doi.org/10.12662/2317-3076jhbs.v6i2.1633.p189-196.2018

Brito VRS, Vasconcelos MGL, Diniz AS, França ISX, Pedraza DF, Peixoto JBS, et al. Percepção de profissionais de saúde sobre o programa de combate à deficiência de vitamina A. Rev Bras Promoc Saude. 2016;29(1):93-9. https://doi.org/10.5020/18061230.2016.p93. DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2016.p93

Dantas KB, Tomé MABG, Aires JS, Sabino LMM, Ferreira AMV, Gubert FA, et al. Nurses’ knowledge about regional foods, food and nutritional safety. Rev Bras Enferm. 2020;73(5):e20190044. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2019-0044. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2019-0044

Dubik SD, Yirkyio E, Ebenezer KE. Breastfeeding in primary healthcare setting: evaluation of nurses and midwives competencies, training, barriers and satisfaction of breastfeeding educational experiences in Northern Ghana. Clin Med Insights Pediatr. 2021;15:11795565211010704. https://doi.org/10.1177/11795565211010704. DOI: https://doi.org/10.1177/11795565211010704

Downloads

Publicado

26-09-2023

Como Citar

1.
Lucena de Melo AN, Cecília da Silva L, Figueroa Pedraza D. Conhecimento de enfermeiros da estratégia saúde da família de uma região de saúde no estado da Paraíba (Brasil) sobre alimentação infantil. J Manag Prim Health Care [Internet]. 26º de setembro de 2023 [citado 19º de maio de 2024];15:e008. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1297

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.