Integralidade do cuidado

um relato de experiência

Autores

  • Ernanda Mezaroba Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre https://orcid.org/0000-0002-1603-0330
  • Marja Camargo Garcia Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre
  • Natássia Scortegagna da Cunha Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre https://orcid.org/0000-0003-0675-8579
  • Neiva da Silva Prefeitura Municipal de Lajeado
  • Bárbara Rodrigues Araujo Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre https://orcid.org/0000-0002-6508-6955
  • Andréa Wander Bonamigo

Palavras-chave:

Assistência Integral à Saúde, Acesso Efetivo aos Serviços de Saúde, Enfermagem em Saúde Pública, Modelos de Assistência à Saúde, Integralidade em Saúde

Resumo

A integralidade, princípio norteador do Sistema Único de Saúde, preconiza a resolutividade das ações em saúde considerando o indivíduo no seu contexto social, cultural e psicológico. Este relato de experiência objetiva relatar práticas que buscam prestar assistência integral à saúde por meio da articulação entre os serviços de baixa e média complexidade, em um município do Rio Grande do Sul. As práticas iniciaram após reflexão realizada pela equipe de gestão da Rede de Atenção à Saúde – RAS sobre aspectos da organização e planejamento dos serviços, na qual identificaram-se falhas significativas nos processos de trabalho. As atividades, desenvolvidas por enfermeiras alocadas em uma Unidade de Pronto Atendimento, buscaram enfrentamento à fragmentação do sistema, desempenhando ações voltadas para promoção da integração, articulação e sinergia entre serviços da RAS. Durante o processo de implementação e desenvolvimento das atividades, identificaram-se entraves e facilitadores. Dentre os entraves destacaram-se: falta de conhecimento dos trabalhadores quanto aos serviços disponíveis; lacunas entre a política preconizada e as práticas dos serviços; clínica voltada apenas para doença; percepção reduzida do profissional sobre o cuidado integral; relações que carecem de simetria entre usuários e trabalhadores de saúde; agendas médicas na APS superlotadas; recursos humanos insuficientes; queixas de pacientes subestimadas; e inexistência de fluxo de referenciamento e contrarreferenciamento na RAS. Com relação às facilidades, constataram-se: comunicação efetiva; troca de experiências; aprendizado; cooperação; trabalho em conjunto e; ampliação da visão de profissionais da RAS quanto a necessidade de articulação. Evidenciam-se avanços na superação do modelo fragmentado, na aproximação entre os serviços de saúde e na ampliação do olhar voltado ao paciente em sua totalidade, possibilitando instituir ações que asseguram a integralidade no cuidado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Campos CEA. O desafio da integralidade segundo as perspectivas da vigilância da saúde e da saúde da família. Cien Saude Colet. 2003;8(2):569-84. https://doi.org/10.1590/S1413-81232003000200018.

Brasil. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências [Internet]. Brasília, DF: PR; 1990 [citado 31 maio 2021]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Pereira IB, Lima JCF. Dicionário da educação profissional em saúde [Internet]. Rio de Janeiro: EPSJV; 2008 [citado 31 maio 2021]. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/l43.pdf

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Brasília, DF: MS; 2010 [citado 31 maio 2021]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html

Konder MT, O’Dwyer G. As unidades de pronto-atendimento na política nacional de atenção às urgências. Physis. 2015;25(2):525-45. https://doi.org/10.1590/S0103-73312015000200011.

Cassettari SSR, Mello ALSF. Demanda e tipo de atendimento realizado em unidades de pronto atendimento do município de Florianópolis, Brasil. Texto Contexto Enferm. 2017;26(1). https://doi.org/10.1590/0104-07072017003400015

Ministério da Saúde (BR). Manual instrutivo da rede de atenção às urgências e emergências no sistema único de saúde (SUS) [Internet]. Brasília, DF: MS; 2013 [citado 31 maio 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_instrutivo_rede_atencao_urgencias.pdf

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 1.600, de 7 de julho de 2011. Reformula a política nacional de atenção às urgências e institui a rede de atenção às urgências no sistema único de saúde (SUS). Brasília, DF: MS; 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1600_07_07_2011.html

Hermida PMV, Nascimento ERP, Echevarría-Guanilo ME, Andrade SR, Ortiga ÂMB. Contrarreferência em unidade de pronto atendimento: discurso do sujeito coletivo. Rev Bras Enferm. 2019;72(suppl1):143-50. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0023.

O'Dwyer G, Konder MT, Reciputti LP, Lopes MGM, Agostinho DF, Alves GF. O processo de implantação das unidades de pronto atendimento no Brasil. Rev Saude Publica. 2017;51:125. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051000072.

Uchimura LYT, Viana ALÁ, Silva HP, Ibañez N. Unidades de pronto atendimento (UPAs): características da gestão às redes de atenção no Paraná. Saude Debate. 2015;39(107):972-83. https://doi.org/10.1590/0103-110420151070253.

Mendes LS, Almeida PF, Santos AM, Samico IC, Porto JP, Vázquez M-L. Experiência de coordenação do cuidado entre médicos da atenção primária e especializada e fatores relacionados. Cad Saude Publica. 2021;37(5):e00149520. https://doi.org/10.1590/0102-311X00149520.

World Health Organization. Integrated health services: what and why? [Internet]. Geneva: WHO; 2008 [citado 28 jun 2021]. Disponível em: https://www.who.int/healthsystems/technical_brief_final.pdf

Pan American Health Organization. Integrated health service delivery networks: concepts, policy options and a road map for implementation in the Americas. Washington, DC: PAHO; 2011 [citado 28 jun 2021]. (Series Renewing primary health care in the Americas; n. 4). Disponível em: https://www.paho.org/hq/dmdocuments/2011/PHC_IHSD-2011Serie4.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico: Rio Grande do Sul, Lajeado [Website]. Brasília, DF: IBGE; 2017 [citado 28 jun 2021]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/lajeado/panorama

Oliveira CCRB, Silva EAL, Souza MKB. Referral and counter-referral for the integrality of care in the health care network. Physis. 2021;31(1):e310105. https://doi.org/10.1590/S0103-73312021310105.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. 2a ed. Brasília, DF: OPAS; 2011 [citado 28 jun 2021]. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/biblioteca/as-redes-de-atencao-a-saude/

Sampaio ML, Bispo Júnior JP. Rede de atenção psicossocial: avaliação da estrutura e do processo de articulação do cuidado em saúde mental. Cad Saude Publica. 2021;37(3):e00042620. https://doi.org/10.1590/0102-311X00042620.

Ribeiro SP, Cavalcanti MLT. Atenção primária e coordenação do cuidado: dispositivo para ampliação do acesso e a melhoria da qualidade. Cien Saude Colet. 2020;25(5):1799-808. https://doi.org/10.1590/1413-81232020255.34122019.

Nunes AM. Avaliação do grau de integração da atenção primária à saúde com atendimento especializado no modelo de unidade local de saúde experimentado em Portugal. Saude Soc. 2021;30(1):e180532. https://doi.org/10.1590/S0104-12902021180532.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia [Internet]. Brasília, DF: UNESCO; 2002 [citado 28 jun 2021]. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0253.pdf

Vázquez M-L, Vargas I, Garcia-Subirats I, Unger J-P, De Paepe P, Mogollón-Pérez AS, et al. Doctors' experience of coordination across care levels and associated factors: a cross-sectional study in public healthcare networks of six Latin American countries. Soc Sci Med. 2017;182:10-9. https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2017.04.001.

Franco TB, Hubner LC. A atenção básica e os cuidados intermediários: um debate necessário. Saude Debate. 2020;44(125):516-26. https://doi.org/10.1590/0103-1104202012518.

Costa GAPC, O'Dwyer G, Carvalho YS, Campos HS, Rodrigues NCP. Perfil de atendimento de população idosa nas Unidades de Pronto Atendimento do município do Rio de Janeiro. Saude Debate. 2020;44(125):400-10. https://doi.org/10.1590/0103-1104202012509.

Borsato FG, Carvalho BG. Hospitais gerais: inserção nas redes de atenção à saúde e fatores condicionantes de sua atuação. Cien Saude Colet. 2021;26(4):1275-88. https://doi.org/10.1590/1413-81232021264.1021201.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

1.
Mezaroba E, Camargo Garcia M, Scortegagna da Cunha N, da Silva N, Rodrigues Araujo B, Wander Bonamigo A. Integralidade do cuidado: um relato de experiência. J Manag Prim Health Care [Internet]. 20º de dezembro de 2021 [citado 17º de janeiro de 2022];13:e023. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1152