O processo de trabalho em enfermagem no cuidado infantil

da atenção primária ao pronto atendimento

Autores

  • Geovani Cleyson dos Santos Universidade Federal de Alfenas
  • Sandra Marina dos Reis Universidade Federal de Alfenas
  • Simone Albino da Silva Universidade Federal de Alfenas
  • Zélia Marilda Rodrigues Resck
  • Roberta Serón Sanches Universidade Federal de Alfenas

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v13.1137

Palavras-chave:

Emergências, Pediatria, Enfermagem, Medicina de Emergência Pediátrica, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Refletir sobre o processo de trabalho em enfermagem no cuidado infantil da atenção primária de saúde ao pronto atendimento hospitalar. Estudo de análise reflexiva baseada na leitura, análise e interpretação de artigos científicos. Para que o processo de trabalho do enfermeiro se consolide, é necessário a compreensão político-social da inserção da criança na rede de atenção à saúde, e também deve constituir de conhecimento das condições clínicas para classificação correta a fim de melhor assistir nas emergências. O enfermeiro é um profissional articulador, que no contexto das emergências infantis, deve atuar com base em preceitos político-sociais e evidências científicas em todas as esferas de assistência e complexidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Gil CRR, Luiz IC, Gil MCR. Gestão pública em saúde: o processo de trabalho na gestão do SUS. São Luís: EDUFMA; 2016.

Andrade RS, Caldas LBSN, Falcão MLP, Góes PSA. Processo de trabalho em unidade de saúde da família e a educação permanente. Trab Educ Saude. 2016;14(2):505-21. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sip00108.

Leal JAL, Melo CMM. Processo de trabalho da enfermeira em diferentes países: uma revisão integrativ[a]. Rev Bras Enferm. 2018;71(2):413-23. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0468.

Forte ECN, Pires DEP, Martins MMFPS, Padilha MICS, Schneider DG, Trindade LL. Processo de trabalho: fundamentação para compreender os erros de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2019;53:e03489. https://doi.org/10.1590/S1980-220X2018001803489.

Silva CCS, Lira ALBC, Feijão AR, Costa IKF, Medeiros SM. Burnout e tecnologias em saúde no contexto da enfermagem na Atenção Primária à Saúde. Esc Anna Nery. 2017;21(2):e20170031. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20170031.

Costa ES, Silva MJR, Kuroba LS, Silva AM, Costa GS, Vieira PSN. Processo de enfermagem em unidades de atendimento de urgência e emergência: uma revisão integrativa. Rev UNINGÁ. 2017[citado 15 set 2021];53(1):99-5. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/1407.

Sousa KHJF, Damasceno CKCS, Almeida CAPL, Magalhães JM, Ferreira MA. Humanização nos serviços de urgência e emergência: contribuições para o cuidado de enfermagem. Rev Gaucha Enferm. 2019;40:e20180263. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180263.

Araujo JP, Viera CS, Oliveira BRG, Gaiva MA, Rodrigues RM. Avaliação dos atributos essenciais da atenção primária à saúde da criança. Rev Bras Enferm. 2018;71(suppl 3):1366-72. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0569.

Andrade CSM, Maracajá PB, Melo WF, Andrade EM, Oliveira TLL, Ribeiro SRS, et al. Atuação do enfermeiro nos serviços de urgência e emergência em pediatria. Informe Tecnico Semiarido. 2016[citado 15 set 2021];10(1):28-31. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/INTESA/article/view/4536.

Pires MCAC, Ferreira SCM, Silva ALA. Linha do cuidado: a emergência pediátrica na perspectiva da integralidade do cuidado. Rev Enferm Atual. 2017;80(18):20-5. https://doi.org/10.31011/reaid-2017-v.80-n.18-art.573.

Amthauer C, Cunha MLC. Manchester Triage System: main flowcharts, discriminators and outcomes of a pediatric emergency care. Rev Lat Am Enfermagem. 2016 Aug 29;24:e2779. https://doi.org/ 10.1590/1518-8345.1078.2779.

Buboltz FL, Silveira A, Neves ET, Silva JH, Carvalho JS, Zamberlan KC. Family perception about their presence or not in a pediatric emergency situation. Texto Contexto Enferm. 2016;25(3):e0230015. https://doi.org/10.1590/0104-07072016000230015.

Magalhães FJ, Lima FET, Barbosa LP, Guimarães FJ, Felipe GF, Rolim KMC, et al. Risk classification of children and adolescents: priority of care in the emergency unit. Rev Bras Enferm. 2020;73(suppl 4):e20190679. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2019-0679.

Mekitarian FFP, Angelo M. Presença da família em sala de emergência pediátrica: opiniões dos profissionais de saúde. Rev Paul Pediatr. 2015;33(4):460-6. https://doi.org/10.1016/j.rpped.2015.03.010.

Brasil. Lei 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o estatuto da criança e do adolescente, e dá outras providências. Brasília, DF: [IOU]; 1990.

Damasceno SS, Nóbrega VM, Coutinho SED, Reichert APS, Toso BRGO, Collet N. Saúde da criança no Brasil: orientação da rede básica à atenção primária à saúde. Cienc Saude Colet. 2016;21(9):2961-73. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.25002015.

Furtado MCC, Mello DF, Pina JC, Vicente JB, Lima PR, Rezende VD. Ações e articulações do enfermeiro no cuidado da criança na atenção básica. Texto Contexto Enferm. 2018;27(1):e0930016. https://doi.org/10.1590/0104-07072018000930016.

Silva RMM, Viera CS, Toso BRGO, Neves ET, Rodrigues RM. Resolutividade na atenção à saúde da criança: percepção de pais e cuidadores. Acta Paul Enferm. 2013;26(4):382-8. https://doi.org/10.1590/S0103-21002013000400013.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a política nacional de atenção básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da atenção básica, no âmbito do sistema único de saúde (SUS). [Brasília, DF: MS]; 2017.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Lei n. 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Brasília, DF: COFEN; 1986.

Bertoncini JH, Pires DEP, Ramos FRS. Dimensões do trabalho da enfermagem em múltiplos cenários institucionais. Tempus Actas Saude Colet. 2011;5(1):123-33. https://doi.org/10.18569/tempus.v5i1.922.

Silva GS, Fernandes DRF, Alves CRL. Avaliação da assistência à saúde da criança na atenção primária no Brasil: revisão sistemática de métodos e resultados. Cienc Saude Colet. 2020;25(8):3185-200. https://doi.org/10.1590/1413-81232020258.27512018.

Diniz SGM, Damasceno SS, Coutinho SED, Toso BRGO, Collet N. Avaliação do atributo integralidade na atenção à saúde da criança. Rev Gaucha Enferm. 2016;37(4):e57067. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.04.57067.

Silva TVS, Santos KMR, Ferreira TLS, Andrade FB. Avaliação do atributo derivado orientação familiar na saúde da criança. Rev Cienc Plural. 2019;5(2):1-15. https://doi.org/10.21680/2446-7286.2019v5n2ID16306.

Downloads

Publicado

2021-12-08

Como Citar

1.
Cleyson dos Santos G, Marina dos Reis S, Albino da Silva S, Marilda Rodrigues Resck Z, Serón Sanches R. O processo de trabalho em enfermagem no cuidado infantil: da atenção primária ao pronto atendimento. J Manag Prim Health Care [Internet]. 8º de dezembro de 2021 [citado 17º de janeiro de 2022];13:e016. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1137