Atenção Primária à Saúde na Amazônia

o cuidado à hipertensão arterial no oeste do Pará

Autores

  • Cristiano Gonçalves Morais Universidade Federal do Oeste do Pará
  • Larissa Ádna Neves Silva Universidade Federal do Oeste do Pará
  • Carlos Leonardo Figueiredo Cunha Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Hernane Guimarães dos Santos Junior Universidade Federal do Oeste do Pará
  • Juliana Gagno Lima Instituto de Saúde Coletiva (Isco), Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa)

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v13.1115

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Hipertensão, Integralidade em Saúde, Ecossistema Amazônico

Resumo

A atuação da Atenção Primária à Saúde – APS favorece a diminuição de casos e complicações da Hipertensão Arterial Sistêmica – HAS, mas no contexto da Amazônia o cuidado da APS com hipertensos está sujeito à influência das fragilidades dos serviços de saúde na região. Diante disto, o objetivo do presente estudo é caracterizar a atenção à HAS no âmbito da APS desenvolvida no Oeste do Pará. Trata-se de uma pesquisa descritiva e quantitativa, na qual foram utilizados dados secundários do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica – PMAQ-AB da região de saúde do Baixo Amazonas. Os dados foram obtidos pelo Portal da Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Para os dados referentes à HAS, utilizaram-se variáveis do ciclo 3 dos módulos II e III.  Para a organização dos dados, foram utilizados os programas Statistical Package for Social Science for Windows (SPSS 22.0) e Microsoft Excel. Foram realizados cálculos com porcentagens e frequências simples. Na análise, foi identificada a predominância do acesso e do uso de exames básicos como meios de subsidiar o cuidado da HAS, no entanto, evidenciaram-se fragilidades da atuação da APS na prevenção e no acompanhamento dos agravos associados a essa morbidade. A situação se agrava quando somada à dificuldade de realizar exames que requerem mais densidade tecnológica e especializada, pois a geografia e as distâncias se constituem como barreiras a serem transpostas pela RAS. O predomínio de ações mínimas no cuidado de HAS e a presença de lacunas nos serviços de saúde de responsabilidade da APS subsidiam indagações sobre sua atuação no desenvolvimento dos seus atributos essenciais na RAS, bem como, sugerem problemas no Oeste do Pará em articular e subsidiar meios de cuidado para HAS, de acordo com as necessidades e peculiaridades dos territórios de seus municípios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiano Gonçalves Morais, Universidade Federal do Oeste do Pará

Enfermeiro. Especialista em Estratégia Saúde da Família para Populações do Baixo Amazonas pelo Programa de Residência Multiprofissional da Universidade Federal do Oeste do Pará.

Larissa Ádna Neves Silva, Universidade Federal do Oeste do Pará

Bacharel em Saúde e Acadêmica de Farmácia do Instituto de Saúde Coletiva, da Universidade Federal do Oeste do Pará.

Carlos Leonardo Figueiredo Cunha, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Estadual do Maranhão (2003). Especializações em Saúde da Família, Formação Pedagógica e Planejamento, Programação e Políticas de Saúde. Mestrado em Saúde Materno Infantil pela Universidade Federal do Maranhão (2010). Doutorado em Saúde Coletiva pelo Instituto de Estudos em Saúde Coletiva- IESC/ UFRJ (2016). Tem experiência na área de Enfermagem em Saúde Coletiva, com ênfase em Políticas e Gestão em Saúde e Atenção Primária. Membro da Comissão de Práticas Avançadas em Enfermagem do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Consultor Ad Hoc da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Desenvolvimento Tecnológico do Maranhão (FAPEMA). Professor Adjunto do Curso de Enfermagem da Universidade Federal do Pará (UFPA), na área de Gestão em Serviços de Saúde. Professor Permanente dos Programas de Pós- Graduação em Enfermagem, Professor Colaborador do Programa em Saúde, Ambiente e Sociedade na Amazônia da Universidade Federal do Pará (UFPA). Vice- Diretor da Associação Brasileira de Enfermagem de Família e Comunidade ( ABEFACO).

Hernane Guimarães dos Santos Junior, Universidade Federal do Oeste do Pará

Possui graduação em Enfermagem - Faculdades Integradas do Tapajós (2000), mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas/ILMD FIOCRUZ (2011). Especialista em Antropologia da Saúde e Saúde Pública com ênfase em saúde indígena. Atualmente é professor e coordenador do curso de Saúde Coletiva do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal do Oeste do Pará, professor de pós – graduação/Residência da Universidade Federal do Oeste do Pará; consultor voluntário em saúde - Expedicionários da Saúde, pesquisador convidado da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO), membro do GT saúde indígena da ABRASCO. Coordenador Regional da pesquisa Avaliação de Impacto do Programa Criança Feliz, membro da Pesquisa Inquérito de Prevalência para Validação da Eliminação do Tracoma como Problema de Saúde Pública no Brasil e da Pesquisa Estudo de validação do teste sorológico para o Covid- 19. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde indígena, saúde coletiva, epidemiologia, cuidados de enfermagem e atenção à saúde indígena.

Juliana Gagno Lima, Instituto de Saúde Coletiva (Isco), Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa)

Mestre em Saúde Pública pela ENSP/FIOCRUZ (2016), na área de concentração Políticas, planejamento, gestão e práticas em saúde. Docente no Instituto de Saúde Coletiva (ISCO) na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), desde 2016. Especialista em Gestão da Atenção Básica (2013) e especialista em Saúde da Família pelo Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família pela ENSP/FIOCRUZ (2012). Graduada em Nutrição pela Universidade Federal Fluminense (2008). 

Referências

Malachias MVB, Souza WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, et al. 7a Diretriz brasileira de hipertensão arterial. Arq Bras Cardiol [Internet]. 2016 [citado 15 jul. 2020];107(3 Supl. 3):1-83. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/abc/v107n3s3/pt_0066-782X-abc-107-03-s3-0007.pdf

Ministério da Saúde (BR). Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica [Internet]. Brasília, DF: MS; 2013 [citado 15 abr. 2020]. (Cadernos de atenção básica, 37). Disponível em: http://bvs.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estrategias_cuidado_pessoa_doenca_cronica.pdf

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 483, de 1 de abril de 2014. Redefine a rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas no âmbito do sistema único de saúde (SUS) e estabelece diretrizes para a organização das suas linhas de cuidado [Internet]. Diário Oficial da União. Brasília, DF: MS; 2014 [citado 18 mar. 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0483_01_04_2014.html

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a política nacional de atenção básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da atenção básica, no âmbito do sistema único de saúde (SUS). Brasília, DF; 22 set. 2017 [citado 18 mar2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Brasil. Decreto n. 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do sistema único de saúde (SUS), o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Brasília, DF; 28 jun. 2011 [citado 18 mar. 2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7508.htm

Santos L, Campos GWS. SUS Brasil: a região de saúde como caminho. Saude Soc. 2015;24(2):438-46. https://doi.org/10.1590/S0104-12902015000200004.

Pereira FJR, Silva CC, Lima Neto EA. Perfil das internações por condições sensíveis à atenção primária subsidiando ações de saúde nas regiões brasileiras. Saude Debate. 2015;39(107):1008-17. https://doi.org/10.1590/0103-110420161070142.

Albuquerque MV, Viana ALD, Lima LD, Ferreira MP, Fusaro ER, Iozzi FL. Desigualdades regionais na saúde: mudanças observadas no Brasil de 2000 a 2016. Cienc Saude Colet. 2017;22(4):1055-64. https://doi.org/10.1590/1413-81232017224.26862016.

Garnelo L. Especificidades e desafios das políticas públicas de saúde na Amazônia [Editorial]. Cad Saude Publica. 2019;35(12):1-4. https://doi.org/10.1590/0102-311x00220519.

Street TD, Somoray K, Richards GC, Lacey SJ. Continuity of care for patients with chronic conditions from rural or remote Australia: a systematic review. Aust J Rural Health. 2019;27(3):196-202. https://doi.org/10.1111/ajr.12511.

Ministério da Saúde (BR) Instrumento de avaliação externa para as equipes de atenção básica: PMAQ-AB [Internet]. 2013 [citado 29 jul. 2019]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_pmaq.php?conteudo=2_ciclo

Lima JG, Giovanella L, Fausto MCR, Bousquat A, Silva EV. Atributos essenciais da Atenção Primária à Saúde: resultados nacionais do PMAQ-AB. Saude Debate. 2018;42(spe 1):52-66. https://doi.org/10.1590/0103-11042018s104.

Souza IL, Paz EPA, Guimarães RM, Castro AA. Acesso às unidades de saúde da família na perspectiva de hipertensos. Rev Enferm UERJ. 2017;25:e14442. http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2017.14442.

Santa-Helena ET, Nemes MIB, Eluf-Neto, J. Avaliação da assistência a pessoas com hipertensão arterial em unidades de estratégia saúde da família. Saude Soc. 2010;19(3):614-26. https://doi.org/10.1590/S0104-12902010000300013.

Aleluia IRS, Medina MG, Almeida PF, Vilasbôas ALQ. Coordenação do cuidado na atenção primária à saúde: estudo avaliativo em município sede de macrorregião do nordeste brasileiro. Cienc Saude Colet. 2017;22(6):1845-56. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017226.02042017.

Garnelo L, Lucas ACS, Parente RCP, Rocha ESC, Gonçalves MJF. Organização do cuidado às condições crônicas por equipes de saúde da família na Amazônia. Saude Debate. 2014;38(spe):158-72. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.2014S012.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília, DF: Unesco; 2002.

Silveira RP, Pinheiro R. Entendendo a necessidade de médicos no interior da Amazônia - Brasil. Rev Bras Educ Med. 2014;38(4):451-9. https://doi.org/10.1590/S0100-55022014000400006.

Brundisini F, Giacomini M, DeJean D, Vanstone M, Winsor S, Smith A. Chronic disease patients' experiences with accessing health care in rural and remote areas: a systematic review and qualitative meta-synthesis. Ont Health Technol Assess Ser [Internet]. 2013 Sep 1 [acesso em 2020 jun 10];13(15):1-33. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3817950/pdf/ohtas-13-33.pdf

Curioletti RM, Colliselli L, Madureira VSF, Tombini LHT. O cuidado a hipertensos e diabéticos na perspectiva da política nacional de humanização. J Nurs Health. 2018;8(1):e188110. http://dx.doi.org/10.15210/jonah.v8i1.12495.

Pierin AMG, Silva SSBE, Colósimo FC, Toma GA, Serafim TS, Meneghin P. Cronicidade e doença assintomática influenciam o controle dos hipertensos em tratamento na atenção básica. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(5):763-70. https://doi.org/10.1590/s0080-623420160000600008.

Hoepfner C, Longo M, Coiradas AO, Teixeira LMR. Apoio matricial e controle da hipertensão arterial. Int J Cardiovasc Sci 2017;30(3):199-206. http://dx.doi.org/10.5935/2359-4802.20170045.

Pinho ECC, Cunha TAN, Lemos M, Ferreira GRON, Lourenção LG, Pinheiro HHC, et al. Acesso e acessibilidade na atenção primária à saúde no Brasil. Enferm Foco. 2020;11(2):168-75. https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n2.3449.

Garnelo L, Sousa ABL, Silva CO. Regionalização em saúde no Amazonas: avanços e desafios. Cienc Saude Colet. 2017;22(4):1225-34. https://doi.org/10.1590/1413-81232017224.27082016.

Sousa FOS, Medeiros KR, Gurgel Júnior GD, Albuquerque PC. Do normativo à realidade do sistema único de saúde: revelando barreiras de acesso na rede de cuidados assistenciais. Cienc Saude Colet. 2014;19(4):1283-93. https://doi.org/10.1590/1413-81232014194.01702013.

Bousquat A, Giovanella L, Campos EMS, Almeida PF, Martins CL, Mota PHS, et al. Atenção primária à saúde e coordenação do cuidado nas regiões de saúde: perspectiva de gestores e usuários. Cienc Saude Colet. 2017;22(4):1141-54. https://doi.org/10.1590/1413-81232017224.28632016.

Santos CM, Barbieri AR, Gonçalves CCM, Tsuha DH. Avaliação da rede de atenção ao portador de hipertensão arterial: estudo de uma região de saúde. Cad Saude Publica. 2017;33(5):e00052816 https://doi.org/10.1590/0102-311x00052816.

Downloads

Publicado

2021-08-17

Como Citar

1.
Gonçalves Morais C, Neves Silva L Ádna, Figueiredo Cunha CL, dos Santos Junior HG, Gagno Lima J. Atenção Primária à Saúde na Amazônia: o cuidado à hipertensão arterial no oeste do Pará. J Manag Prim Health Care [Internet]. 17º de agosto de 2021 [citado 20º de setembro de 2021];13:e07. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1115

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)