Satisfação materna com a atenção à saúde de crianças menores de cinco anos na Estratégia Saúde da Família

Autores

  • Dixis Figueroa Pedraza
  • Nadinne Lívia Silva de Melo
  • Franciely Albuquerque Silva

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v13.1112

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Estratégia Saúde da Família, Avaliação dos Serviços de Saúde

Resumo

Objetivou-se analisar a satisfação de usuárias da Estratégia Saúde da Família em relação aos serviços de saúde oferecidos aos seus filhos menores de cinco anos. Trata-se de um estudo qualitativo envolvendo mães de crianças menores de cinco anos usuárias de 18 equipes de Saúde da Família dos municípios de Bayeux e Cabedelo, pertencentes à região metropolitana de João Pessoa, Paraíba. As mães foram questionadas em grupos focais (um por equipe de saúde) sobre a satisfação com os serviços de saúde oferecidos aos seus filhos, totalizando 180 usuárias. O material foi submetido à análise de conteúdo e dela emergiram duas categorias temáticas: satisfação e insatisfação com os serviços. As mães mostraram satisfação com a vacinação e insatisfação com o atendimento médico e a escassez de medicamentos. As usuárias perceberam problemas organizacionais nos serviços de saúde que geraram insatisfação com relação à resolutividade do cuidado e devem servir de alerta para os profissionais que atuam diretamente na atenção à saúde da criança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Rede de Pesquisa em Atenção Primária à Saúde da Abrasco. Contribuição para uma agenda política estratégica para a atenção primária à saúde no SUS. Saude Debate. 2018;42(Espec 1):406-30. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S128. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s128

Macinko J, Mendonça CS. Estratégia saúde da família, um forte modelo de atenção primária à saúde que traz resultados. Saude Debate. 2018;42(Espec 1):18-37. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S102. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s102

Harris M, Haines A. Brazil’s family health programme. BMJ. 2010 Nov 29;341:c4945. https://doi.org/10.1136/bmj.c4945. DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.c4945

Arantes LJ, Shimizu HE, Merchán-Hamann E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Cienc Saude Colet. 2016;21(5):1499-509. https://doi.org/10.1590/1413-81232015215.19602015. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015215.19602015

Kempfer SS, Bellaguarda MLR, Mesquita MPL, Alvarez AM. Percepção dos usuários sobre os serviços de saúde pública no Brasil: revisão integrativa. Rev Rene. 2011;12(Espec):1066-73.

Damasceno SS, Nóbrega VM, Coutinho SED, Reichert APS, Toso BRGO, Collet N. Saúde da criança no Brasil: orientação da rede básica à atenção primária à saúde. Cienc Saude Colet. 2016;21(9):2961-73. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.25002015. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.25002015

Prezotto KL, Chaves MMN, Mathias TAF. Hospitalizações sensíveis à atenção primária em crianças, segundo grupos etários e regionais de saúde. Rev Esc Enferm USP. 2015;49(1):44-53. https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000100006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000100006

Jacowski M, Budal AMB, Lemos DS, Ditterich RG, Buffon MCM, Mazza VA. Trabalho em equipe: percepção dos profissionais da Estratégia de Saúde da Família. Rev Baiana Enferm. 2016;30(2):1-9. https://doi.org/10.18471/rbe.v30i2.15145. DOI: https://doi.org/10.18471/rbe.v30i2.15145

Rigon SA, Schmidt ST, Bógus CM. Desafios da nutrição no Sistema Único de Saúde para construção da interface entre a saúde e a segurança alimentar e nutricional. Cad Saude Publica. 2016;32(3):e00164514. https://doi.org/10.1590/0102-311X00164514. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00164514

Souza RS, Ferrari RAP, Santos TFM, Tacla MTGM. Atenção à saúde da criança: prática de enfermeiros da saúde da família. REME. 2013;17(2):331-9. http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20130025.

Campos CEA, Brandão AL, Paiva MBP. Avaliação da estratégia de saúde da família pela perspectiva dos usuários. Rev APS. 2014;17(1):13-23.

Gill L, White L. A critical review of patient satisfaction. Leadersh Health Serv. 2009;22(1):8-19. https://doi.org/10.1108/17511870910927994. DOI: https://doi.org/10.1108/17511870910927994

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9a ed. São Paulo: Hucitec; 2006.

Silva KD, Araújo GM, Sales LKO, Valença CN, Morais FRR, Morais IF. Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil na visão de mães da estratégia saúde da família. Rev Bras Pesqui Saude. 2014;16(2):67-75.

Lessa SC, Dórea JG. Bioética e vacinação infantil em massa. Rev Bioet. 2013;21(2): 226-36. DOI: https://doi.org/10.1590/S1983-80422013000200005

Siqueira LG, Martins AMEBL, Versiani CMC, Almeida LAV, Oliveira CS, Nascimento JE, et al. Avaliação da organização e funcionamento das salas de vacina na atenção primária à saúde em Montes Claros, Minas Gerais. Epidemiol Serv Saude. 2017;26(3):557-68. https://doi.org/10.5123/S1679-49742017000300013.

Silva Junior JB. 40 anos do Programa Nacional de Imunizações: uma conquista da Saúde Pública brasileira [Editorial]. Epidemiol Serv Saude. 2013;22(1):7-8. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742013000100001. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742013000100001

Teixeira MG, Costa MCN, Paixão ES, Carmo EH, Barreto FR, Penna GO. Conquistas do SUS no enfrentamento das doenças transmissíveis. Cienc Saude Colet. 2018;23(6):1819-28. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.08402018. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.08402018

Leal MC, Szwarcwald CL, Almeida PVB, Aquino EML, Barreto ML, Barros F, et al. Saúde reprodutiva, materna, neonatal e infantil nos 30 anos do sistema único de saúde (SUS). Cienc Saude Colet. 2018;23(6):1915-28. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.03942018. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.03942018

Barbosa SP, Coelho KA, Carvalho LM, Sarria B, Santos RC, Cavalcante RB. Aspectos que compõem o perfil dos profissionais médicos da estratégia saúde da família: o caso de um município polo de Minas Gerais. Rev Bras Educ Med. 2019;43(1 Supl. 1):395-403. https://doi.org/10.1590/1981-5271v43suplemento1-20180177. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v43suplemento1-20180177

Mourão Netto JJ, Rodrigues ARM, Aragão OC, Goyanna NF, Cavalcante AES, Vasconcelos MAS, et al. Programa mais médicos e suas contribuições para a saúde no Brasil: revisão integrativa. Rev Panam Salud Publica. 2018;42:e2. https://doi.org/ 10.26633/RPSP.2018.2.

Girardi SN, van Stralen ACS, Cella JN, Wan Der Maas L, Carvalho CL, Faria EO. Impacto do programa mais médicos na redução da escassez de médicos em atenção primária à saúde. Cienc Saude Colet. 2016;21(9):2675-84. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.16032016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.16032016

Fontes LFC, Conceição OC, Jacinto PA. Evaluating the impact of physicians’ provision on primary healthcare: evidence from Brazil’s more doctors program. Health Econ 2018;27(8):1284-99. https://doi.org/10.1002/hec.3775. DOI: https://doi.org/10.1002/hec.3775

Kemper ES, Mendonça AVM, Sousa MF. Programa mais médicos: panorama da produção científica. Cienc Saude Colet. 2016;21(9):2785-96. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.17842016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.17842016

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a política nacional de atenção básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da atenção básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Brasília, DF: MS; 2017 [citado 11 fev. 2019]. Disponível em: http://www.brasilsus.com.br/index.php/legislacoes/gabinete -do- -ministro/16247-portaria-n-2-436-de-21-de-setembro-de-2017.

Machado MMT, Lima ASS, Bezerra Filho JG, Machado MFAS, Lindsay AC, Magalhães FB, et al. Características dos atendimentos e satisfação das mães com a assistência prestada na atenção básica a menores de 5 anos em Fortaleza, Ceará. Cienc Saude Colet. 2012;17(11):3125-33. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100028. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100028

Menezes ELC, Scherer MDA, Pires DP, Verdi MI. Modos de produzir cuidado e a universalidade do acesso na atenção primária à saúde. Saude Soc. 2017;26(4):888-903. https://doi.org/10.1590/S0104-12902017170497. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902017170497

Ferreira PL, Raposo VM, Pisco L. A voz dos utilizadores dos cuidados de saúde primários da região de Lisboa e Vale do Tejo, Portugal. Cienc Saude Colet. 2017;22(3):747-58. https://doi.org/10.1590/1413-81232017223.33252016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017223.33252016

Mendes LV, Campos MR, Chaves GC, Silva RM, Freitas OS, Costa KS. Disponibilidade de medicamentos nas unidades básicas de saúde e fatores relacionados: uma abordagem transversal. Saude Debate. 2014;38(Espec):109-23. https://doi.org/10.5935/0103-1104.2014S009. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-1104.2014S009

Álvares J, Guerra Junior AA, Araújo VE, Almeida AM, Dias CZ, Ascef BO, et al. Acesso aos medicamentos pelos usuários da atenção primária no Sistema Único de Saúde. Rev Saude Publica. 2017;51(Supl 2):20s. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051007139. DOI: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051007139

Nascimento RCRM, Álvares J, Guerra Junior AA, Gomes IC, Costa EA, Leite SN, et al. Disponibilidade de medicamentos essenciais na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Rev Saude Publica. 2017;51(Supl 2):10s. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051007062. DOI: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051007062

Nora LCD, Costa KS, Araújo SQ, Tavares NUL. Análise da assistência farmacêutica no planejamento: participação dos profissionais e a qualificação da gestão. Cad Saude Colet. 2019;27(3): 278-86. https://doi.org/10.1590/1414-462X201900030359. DOI: https://doi.org/10.1590/1414-462x201900030359

Santa Helena ET, Andersen SE, Menoncin SM. Percepção dos usuários sobre acesso aos medicamentos na atenção primária. Cad Saude Colet. 2015;23(3):280-8. https://doi.org/10.1590/1414-462X201500030068. DOI: https://doi.org/10.1590/1414-462X201500030068

Silva TRB, Silva JV, Pontes AGV, Cunha ATR. Percepção de usuários sobre o Programa Mais Médicos no município de Mossoró, Brasil. Cienc Saude Colet. 2016;21(9):2861-9. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.18022016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.18022016

Esperidião MA, Viera-da-Silva LM. A satisfação do usuário na avaliação de serviços de saúde: ensaio sobre a imposição de problemática. Saude Debate. 2018;42(Espec 2):331-40. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S223. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s223

Dantas AV. Saúde, luta de classes e o ‘fantasma’ da reforma sanitária brasileira: apontamentos para sua história e crítica. Saude Debate. 2018;42(Espec 3):145-57. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S311. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s311

Figueroa-Pedraza D. Implementation of food and nutrition actions in the context of family health strategy, Paraíba, Brazil. Rev Fac Nac Salud Publica. 2019;37(3):98-109. https://doi.org/10.17533/udea.rfnsp.v37n3a11. DOI: https://doi.org/10.17533/udea.rfnsp.v37n3a11

Figueroa-Pedraza D. Percepção de enfermeiros sobre o cuidado nutricional à criança na estratégia saúde da família. Saude Debate. 2020;44(124):141-51. https://doi.org/10.1590/0103-1104202012410. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104202012410

Downloads

Publicado

13-08-2021

Como Citar

1.
Figueroa Pedraza D, Nadinne Lívia Silva de Melo, Franciely Albuquerque Silva. Satisfação materna com a atenção à saúde de crianças menores de cinco anos na Estratégia Saúde da Família. J Manag Prim Health Care [Internet]. 13º de agosto de 2021 [citado 20º de junho de 2024];13:e05. Disponível em: https://jmphc.com.br/jmphc/article/view/1112

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.