Perfil sociodemográfico e profissional dos gestores municipais de saúde de uma Microrregião de Minas Gerais

  • Ramon Augusto Ferreira de Souza Universidade Federal de Juíz de Fora
  • Tiago Ricardo Moreira Universidade Federal de Viçosa
  • Adélia Contiliano Expedito Universidade Federal de Viçosa
  • Renato Pereira da Silva Universidade Federal de Viçosa
  • Christian Emmanuel da Silva Pelaes Universidade Federal de São Carlos
  • Deíse Moura de Oliveira Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Saúde Pública, Sistema Único de Saúde, Gestão em Saúde.

Resumo

A municipalização configura-se como um grande avanço, dada a possibilidade de uma maior aproximação da gestão, dos serviços e das ações ofertadas com as necessidades apresentadas pela população, considerando suas características sociodemográficas, perfil epidemiológico e especificidades loco regionais. Porém, sinaliza também um grande desafio para a consolidação do SUS, relacionados inclusive ao perfil dos gestores municipais, o que tem desenhado diferentes faces do SUS em todo o território nacional. Analisar o perfil sociodemográfico e profissional dos gestores do SUS de uma microrregião de saúde de Minas Gerais. Pesquisa descritiva, de abordagem quantitativa, realizada com a totalidade dos secretários municipais de saúde da microrregião estudada, composta por nove municípios. A coleta de dados ocorreu nos meses de setembro e outubro de 2015, por meio de um questionário autoaplicativo, sendo a análise realizada com o auxílio do Programa EPIINFO, versão 7.1.4 de 07/07/2014. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Viçosa, inscrito sob o Parecer nº 1.147.443, de 08 de julho de 2015. Foram analisadas características pessoais e profissionais dos gestores, os papéis gerenciais e as opiniões sobre as funções gestoras. O perfil sociodemográfico aponta um predomínio de gestores do sexo masculino, com nível superior completo (55,6%), sendo 44% com formação na área da saúde. A maioria (77,8%) reside há mais de 20 anos no município em que atua. Em relação ao conhecimento sobre o Sistema Único de Saúde, nenhum secretário referiu conhecer muito bem o sistema, e 11,1% afirmaram não conhecer nada sobre o mesmo. Sobre as funções gerenciais, 55,6% afirmaram que passam a maior parte do tempo atendendo o público; 33,3% no planejamento das atividades e trabalhos com a equipe e 11,1% com a gestão de pessoas e tarefas administrativas. Quanto à gestão participativa, a maioria dos gestores (66,6%) a pontua como fragilizada. Neste cenário 33,3% dos gestores não percebe o conselho de saúde como atuante, e 44,5% afirma que o mesmo existe para cumprir formalidades. No que tange a participação popular 77,8% evidencia que a mesma ainda é incipiente. 55,6% dos entrevistados demarcam como dificuldade da gestão municipal a insuficiência de recursos financeiros, sendo que apenas 44,4% têm autonomia para ordenar as despesas referentes ao setor saúde. Em relação à compreensão dos gestores sobre as ferramentas de gestão, a maioria relatou conhecê-las, porém, 55,6% referem utilizá-las, porém dotados de dúvidas no processo. Evidencia-se a necessidade premente de políticas de educação permanente para os gestores, visando o enfrentamento dos desafios cotidianos. Sugere-se ainda o fortalecimento do controle social, como estratégia potencializadora da gestão participativa no processo de consolidação do SUS. 

Publicado
05-01-2017
Como Citar
1.
Souza RA, Moreira T, Expedito A, Silva R, Pelaes CE, de Oliveira D. Perfil sociodemográfico e profissional dos gestores municipais de saúde de uma Microrregião de Minas Gerais. JMPHC [Internet]. 5jan.2017 [citado 19out.2019];7(1):132-. Available from: http://jmphc.com.br/jmphc/article/view/472
Seção
Seminários, Simpósios e Mesas Redondas

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##