Um caminho para educação permanente sobre o “fazer sanitário”: a pesquisa qualitativa como conteúdo essencial na graduação em Saúde Coletiva

  • Edvânia Maria da Silva Universidade Federal de Pernambuco
  • Nathalie Alves Agripino
  • Leonardo Carnut
Palavras-chave: Educação permanente, Sistema Único de Saúde, Prática Profissional.

Resumo

Segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para as graduações em Saúde Coletiva, o bacharel precisa dominar os dispositivos pedagógicos para o desenvolvimento e reinvenção permanente dos saberes em saúde. Para que essa prática não se torne espontaneísta, baseada no senso comum e com baixa capacidade resistir à crítica, é necessário que o egresso produza um conhecimento sistemático de sua práxis. Logo, a pesquisa qualitativa pode ser compreendida como um conteúdo essencial nas graduações de saúde coletiva para que se proporcionem os caminhos nos quais a „atividade educativa de si‟ deva ocorrer em virtude dos desafios encontrados na gerência dos serviços. Assim, objetivou-se identificar a percepção discente sobre as atividades práticas da disciplina de pesquisa qualitativa como forma de educação permanente em uma graduação em saúde coletiva. Tratou-se de uma pesquisa-ação, qualiquantitativa para investigação de percepção de uma realidade de trabalho. O cenário pedagógico foi a disciplina de „Metodologia Qualitativa‟ ministrada no 3º período da graduação em Saúde Coletiva da Universidade de Pernambuco (UPE) tendo 13 estudantes como partícipes. Cada grupo de 3 estudantes foi lotado em uma Secretaria de Saúde da região metropolitana do Recife para vivenciar seus cotidianos e identificar potenciais problemas da prática para transformá-los em uma pergunta de pesquisa qualitativa. Cada estudante criou um projeto e o operacionalizou até onde fosse possível. Ao término da atividade prática, realizou-se uma entrevista não-estruturada com os estudantes sobre suas vivências. Analisou-se o material coletado através da técnica de Análise de Conteúdo Clássica, do tipo análise frequencial em comparação com a Seção II (Educação em Saúde) das DCN para os cursos de graduação em Saúde Coletiva. Das 43 ideias centrais que emergiram dos discursos dos estudantes obteve-se as seguintes categorias: 25,5% (11) „Facilidades, acolhida e informações sobre a política de saúde‟; 9,3% (4) „Acontecimentos imprevistos‟; 9,3% (4) „Colocar em prática as teorias‟; 6,9% (3) „A visão social ampliada‟; 6,9% (3) „Crescer como acadêmico e ampliar a perspectiva‟; 6,9% (3) „Prática de pesquisa bastante limitada‟; 6,9% (3) „Criticas embasadas‟; 6,9% (3) „Serviços de saúde não estão bem articuladas‟ ; 6,9% (3) „Difícil processo de recolhimento de dados e informações‟. Segundo o que preconiza as DCN, os discursos congregam os sentidos disposto no Art 20. Inciso V: “Aprender interprofissionalmente, com base na reflexão sobre a própria prática e pela troca de saberes com profissionais da área da saúde e outras áreas do conhecimento, para a reorientação contínua dos fazeres profissionais”, demonstrando o quanto os estudantes percebem esta prática como um ato de educação permanente. Segundo os achados, percebeu-se que a prática com a metodologia qualitativa parece ser uma forma de despertar nos estudantes o olhar para educação permanente. Neste estudo, a pesquisa qualitativa ampliou seus horizontes e os trouxe para uma aproximação maior com a realidade em sua totalidade. Mesmo o acolhimento e acesso as informações lhes sendo facilitadas, ainda há dificuldades para adentrar nos serviços pela sensação de ameaça que gerou nos profissionais quando os estudantes utilizam a pesquisa qualitativa para conhecer seus cotidianos em profundidade. 

Publicado
05-01-2017
Como Citar
1.
Silva E, Agripino N, Carnut L. Um caminho para educação permanente sobre o “fazer sanitário”: a pesquisa qualitativa como conteúdo essencial na graduação em Saúde Coletiva. JMPHC [Internet]. 5jan.2017 [citado 18out.2019];7(1):114-. Available from: http://jmphc.com.br/jmphc/article/view/449
Seção
Seminários, Simpósios e Mesas Redondas