Prevalência de comportamento sedentário e inatividade física entre adolescentes do sexo feminino no município de Viçosa

  • Karina Lúcia Ribeiro Canabrava Universidade Federal de Viçosa
  • Valter Paulo Neves Miranda Universidade Federal de Viçosa
  • Joice Ermelinda Cecílio da Silva Universidade Federal de Viçosa
  • Silvia Eloiza Priore Universidade Federal de Viçosa
  • Paulo Roberto dos Santos Amorim Universidade Federal de Viçosa
  • Sylvia do Carmo Castro Franceschini Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Comportamento Sedentário, Inatividade Física, Adolescentes.

Resumo

O comportamento sedentário e a inatividade física estão associados à obesidade, hipertensão arterial, dislipidemias e diabetes. Tais comportamentos iniciados desde a infância tendem a permanecer na vida adulta. Portanto, investigar o tempo gasto em atividades sedentárias e físicas entre adolescentes pode auxiliar nas propostas de promoção em saúde coletiva, reduzindo a ocorrência de fatores de risco cardiovascular. Avaliar a prevalência de comportamento sedentário e inatividade física em adolescentes do sexo feminino de Viçosa. A amostra foi composta por 374 adolescentes do sexo feminino com idades entre 14 e 19 anos da rede escolar pública de Viçosa. Aferiu-se peso e estatura corporal. O Índice de Massa Corporal foi calculado, convertido em escore-z, e as adolescentes classificadas em relação ao estado nutricional. Obteve-se o grau de instrução do chefe de família por meio do Critério de Classificação Econômica. O comportamento sedentário foi avaliado durante uma semana habitual com base no “tempo de tela”, obtido pela soma do tempo diário gasto com televisão, computador, vídeo game e tablet. Sedentarismo foi definido como tempo de tela maior que 120 minutos diários, conforme preconizado pela Academia Americana de Pediatria. A atividade física foi avaliada por meio do Diário de Atividades de 24h reportado durante uma semana habitual. O tempo diário gasto em atividades físicas de intensidade moderada à vigorosa (AFMV) foi calculado. Considerou-se inatividade física o não cumprimento de pelo menos 60 minutos diário de AFMV, conforme recomendações da Organização Mundial de Saúde. Realizou-se análise descritiva com médias, desvios-padrão e frequências absolutas e relativas. Teste do Qui-Quadrado ou Exato de Fisher foram utilizados para verificar associações entre a prevalência de sedentarismo e inatividade com variáveis sociodemográficas. Considerou-se significância menor que 0,05. As análises foram realizadas no software SPSS®. A média de idade foi 16,4 (±1,2) anos, sendo 66,3% e 33,7% das adolescentes nas fases intermediária e tardia da adolescência, respectivamente. Em relação ao estado nutricional, 24,2% apresentaram excesso de peso. O tempo de tela diário foi de 202,4 (±138,7) minutos. E, 70,0% das adolescentes não cumprem as recomendações e excedem os 120 minutos diários. A prevalência de sedentarismo não diferiu em relação à faixa etária, estado nutricional e inatividade (p > 0,05). No entanto, observou-se que a proporção de adolescentes sedentárias foi maior entre aquelas cujo chefe de família possui menor grau em relação aos de maior grau de instrução (74,5% vs. 64,3%, p = 0,04). Também foi elevado (81,6%) o percentual de adolescentes que não cumprem as recomendações de AFMV. O tempo diário gasto em AFMV foi de 30,4 (±44,1) minutos. Em relação à prevalência de inatividade, não houve diferença segundo faixa etária, instrução do chefe de família, estado nutricional e sedentarismo (p > 0,05). Observou-se elevada prevalência de sedentarismo e inatividade física entre as adolescentes. Tais resultados reforçam a necessidade de propostas com o objetivo de reduzir o tempo sedentário e aumentar a atividade física entre adolescentes promovendo a saúde coletiva e contribuindo para a redução da morbimortalidade cardiovascular na população. 

Publicado
05-01-2017
Como Citar
1.
Canabrava KL, Miranda VP, da Silva JE, Priore S, Amorim PR, Franceschini S. Prevalência de comportamento sedentário e inatividade física entre adolescentes do sexo feminino no município de Viçosa. JMPHC [Internet]. 5jan.2017 [citado 23jul.2019];7(1):94-. Available from: http://jmphc.com.br/jmphc/article/view/420
Seção
Seminários, Simpósios e Mesas Redondas

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##