A qualidade da água nos resevatórios domiciliares na região metropolitana da cidade do Recife, Pernambuco

  • Romero Correia Freire UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO-UPE

Resumo

Considerando-se que a água é um nutriente fundamental para manutenção da vida e os reservatórios domiciliares podem atuar como fator deteriorador, o presente estudo foi realizado visando verificar os efeitos dos reservatórios domiciliares nas características físico-químicas e microbiológicas da água utilizada para consumo humano no município de Recife-PE. Os resultados encontrados demonstraram discrepância nos teores de ferro e turbidez para amostras coletadas nos reservatórios domiciliares, teores de cloro abaixo do preconizado pela Portaria MS 2914/11, em 50% das amostras e contaminação por coliformes totais em 45% delas e 35% por contaminação de E.coli, mostrando que o reservatório domiciliar é fator deteriorador da água nele armazenada. Enquanto que, a água na saída da estação de tratamento e na rede de distribuição encontrava-se livre de microorganismos. A maioria dos municípios brasileiros não possui uma política visando a qualidade da água “potável” oriunda de reservatórios domiciliares “caixa d’água” e, conseqüentemente, não se tem consciência dos graves problemas em que a água destes reservatórios, quando não tratada, pode trazer ao ser humano. As conseqüências estão relacionadas com a criação de focos de organismos patogênicos, vetores de transmissão de doenças, com sérios impactos na saúde pública.

Publicado
06-01-2013
Como Citar
1.
Freire R. A qualidade da água nos resevatórios domiciliares na região metropolitana da cidade do Recife, Pernambuco. JMPHC [Internet]. 6jan.2013 [citado 21jul.2019];3(2):102-5. Available from: http://jmphc.com.br/jmphc/article/view/146