Avaliação da gestão em atenção básica em um município do interior de Minas Gerais

  • Virgínia Souza Santos Universidade Federal de Viçosa - Campus de Rio Paranaíba (UFV)
  • Giovanna Gaudenci Nardelli Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
  • Eliana Maria Gaudenci Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
  • Leila Aparecida Kauchakje Pedrosa Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
  • Letícia Maria de Melo Universidade Federal de Viçosa - Campus de Rio Paranaíba (UFV)
Palavras-chave: Atenção Primária de Saúde, Gestão da Atenção Básica, Profissionais de Saúde.

Resumo

A Atenção Primária à Saúde (APS) possui o poder de organização para uma real mudança do modelo assistencial e esta assistência à saúde se apresenta nas Unidades Matriciais de Saúde (UMS), Unidades Básicas de Saúde (UBS), entre outros. A coordenação destas Unidades fica a cargo dos gerentes, cuja função administrativa é da mais alta importância, eles fazem com que a gerência se torne um instrumento importante para se efetivar políticas. Avaliar a qualidade do atendimento à população, da atenção primária a saúde na percepção dos profissionais das UBS. Trata-se de uma pesquisa de caráter descritivo, transversal e observacional, realizado com a utilização do método quantitativo, utilizando o AMAQ-AB, dimensão Gestão na AB como instrumento. O estudo realizou-se nas UBS e UMS localizadas na área urbana, no município de Uberaba-MG, após autorização da Secretaria Municipal de Saúde e Comissão de Ética em Pesquisas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) sob o protocolo de número 2671. Como critérios de inclusão consideramos o tempo de no mínimo de 30 dias no atual cargo, e como exclusão, aqueles profissionais que estavam de férias, licença médica ou maternidade no momento da coleta de dados. Foram 34 participantes entre gerentes, enfermeiros e técnicos de enfermagem das UBS. Obtivemos a variação de idade entre 26 a 78 anos (sendo a média de 39 anos). A maioria dos profissionais são do sexo feminino (88,2%), o estado civil prevalente foi o casado com 50%. Na formação profissional o curso superior em enfermagem teve a porcentagem de 42,4% e o curso técnico em enfermagem obteve 39,4%. Como nível de formação a especialização foi a mais encontrada (45,5%) seguido de nível técnico (39,4%). O tempo de experiência compreendeu-se de 1 a 27 anos (sendo a média de 10 anos). A carga horária com maior ocorrência foi 40 horas semanais com 78,8%. Como cargo atual obtivemos 23,5% de gerentes das unidades, e 38,2% para enfermeiros e 38,2% para técnicos de enfermagem. Como resultado final, realizando a média dos resultados das três subdimensões da dimensão Gestão em AB pudemos dizer que os participantes classificaram a dimensão, como Regular (pontuação 3), com resultado de 59,3%. Conforme os resultados apresentados, é possível identificar que a gestão ainda não se encontra consolidada e assim, não podemos caracterizá-la como eficiente, o que exerce influências diretas na qualidade do serviço prestado a população e no processo de trabalho das estratégias de saúde da família. Os estudos trazem que reestabelecer ações pautadas em resultados avaliativos é um desafio, principalmente em virtude de que normalmente estes resultados demonstram as insatisfações e dificuldades relacionadas aos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) e da ABS, mas que devem ser continuamente perseguidos, tornando a avalição da melhoria do acesso e da qualidade da AB primordial e essencial.

Biografia do Autor

Virgínia Souza Santos, Universidade Federal de Viçosa - Campus de Rio Paranaíba (UFV)

 

 

Publicado
05-01-2017
Como Citar
1.
Santos V, Nardelli G, Gaudenci E, Pedrosa LA, de Melo L. Avaliação da gestão em atenção básica em um município do interior de Minas Gerais. JMPHC [Internet]. 5jan.2017 [citado 18out.2019];7(1):42-. Available from: http://jmphc.com.br/jmphc/article/view/368
Seção
Seminários, Simpósios e Mesas Redondas

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##